Fim da trégua: ataque israelense mata dois palestinos

Pouco antes do ataque, o governo israelense havia acusado o Hamas, que governa Gaza, de não respeitar uma trégua provisória anunciada por Israel

Gaza – Dois palestinos morreram em um ataque aéreo israelense contra o norte da Faixa de Gaza durante a visita do primeiro-ministro egípcio Hisham Qandil, informaram fontes médicas palestinas à AFP.

O porta-voz do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu havia acusado pouco antes o Hamas, que governa Gaza, de não respeitar uma trégua provisória anunciada por Israel durante a visita do chefe de Governo egípcio.

“O Hamas não respeita a visita do primeiro-ministro egípcio a Gaza e viola a trégua temporária com a qual Israel concordou durante a visita”, disse Ofir Gendelman, porta-voz de Netanyahu.

Durante a visita a Gaza, o premier egípicio Hisham Qandil afirmou que seu país vai intensificar os esforços para obter uma trégua entre os grupos armados palestinos e o Estado hebreu.

Ele chamou a operação israelense de “agressão”.

“O Egito intensificará os esforços para acabar com esta agressão e obter uma trégua duradoura”, declarou Qandil durante uma visita a um hospital de Gaza acompanhado pelo chefe de Governo do Hamas, Ismail Haniyeh.

O exército israelense começou a mobilizar nesta sexta-feira 16.000 reservistas para a operação “Pilar de Defesa” contra os grupos armados de Gaza, informou uma fonte militar.

“O processo está em curso, o exército distribui convocações a 16.000 soldados reservistas”, disse a fonte.

O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, aprovou na quinta-feira a convocação de até 30.000 membros da reserva, que podem ser mobilizados a qualquer momento.

“Estamos ampliando a campanha militar a Gaza”, declarou o porta-voz do exército, o general Yoav Mordejai.

Dois foguetes disparados de Gaza caíram na quinta-feira pela primeira vez na região de Tel Aviv, “uma escalada”, segundo Barak.