Exército afegão reforça operações em cidade alvo de atentados

Com receio de novos ataques do grupo Estado Islâmico, novos postos de controle foram instalados depois de mais um atentado nesta terça-feira

O Exército reforçou nesta quarta-feira (1º) a presença nas ruas de Jalalabad, grande cidade do leste do Afeganistão, cenário de vários atentados do grupo Estado Islâmico (EI), que foi expulso de seus redutos por operações militares e ações dos talibãs.

“Quase 150 combatentes do Daesh (acrônimo do EI em árabe), com seu comandante e seu adjunto, se renderam nesta quarta-feira em Jawzjan”, anunciou o Ministério da Defesa.

Em Jalalabad, o temor é grande diante da ameaça do EI. Os soldados instalaram novos postos de controle depois de mais um atentado na terça-feira, quando 15 pessoas morreram, incluindo uma funcionária de 22 anos da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

“Os terroristas mudaram de tática e agora atacam os civis com mais frequência. Para proteger a população, o Exército vai assumir a segurança da cidade”, declarou à AFP Attaullah Khogyani, porta-voz do governo de Nangarhar, que tem Jalalabad como capital.

“Os reforços militares foram enviados de províncias vizinhas. Receberão o apoio da Polícia e de outras forças de segurança”, explicou Khogyani.

O presidente afegão, Ashraf Ghani, teve uma reunião de emergência por videoconferência com as autoridades civis e militares da região. Ghani quer a “garantia da segurança da população e das instituições civis”, informaram fontes do governo.

O atentado de terça-feira contra a agência de refugiados não foi reivindicado por nenhum grupo. Os talibãs negaram o envolvimento no ataque, o que dá a entender de maneira implícita a autoria do EI.

No sábado, o EI atacou um centro de formação de parteiras, em uma ação que durou sete horas e terminou com três seguranças mortos.

Nos últimos meses foram registrados vários atentados suicidas em Jalalabad, alguns deles extremamente violentos, como o que matou 21 pessoas da comunidade sikh em 1º de julho.

A rendição na terça-feira de 150 combatentes do EI em Jawzan representa a derrota mais importante do grupo desde que estabeleceu sua presença no Afeganistão em 2015, afirmou o porta-voz militar da região Norte, Mohammad Hanif Rezaee.

Após o cessar-fogo de três dias de meados de junho entre o Exército e os talibãs, os principais atentados contra civis no Afeganistão aconteceram em Jalalabad e foram reivindicados pelo EI.

Em julho, os talibãs anunciaram que não cometeriam mais atentados suicidas nas cidades, se não pudessem evitar as vítimas civis.

Os insurgentes talibãs lutam atualmente contra o EI nas províncias setentrionais de Jawzan e Sar-e-Pul.