Ex-proprietário da petrolífera Yukos é condenado à prisão

Mikhail Khodorkovsky também foi sentenciado a pagar uma multa de 619,6 milhões de dólares

A Justiça russa condenou o bilionário Mikhail Khodorkovsky, ex-proprietário da petrolífera Yukos, a nove anos de prisão. A corte também determinou o pagamento de uma multa de 17,4 bilhões de rublos, o equivalente a 619,6 milhões de dólares. Segundo o americano The Wall Street Journal, os promotores declararam que pretendem apresentar novas denúncias contra Khodorkovsky, com o objetivo de acrescentar de dez a 15 anos de prisão à pena já decretada.

Os advogados de defesa alegam que a corte ignorou seus argumentos e, por isso, irão recorrer da decisão. Os representantes do bilionário admitem, porém, que têm poucas esperanças de encontrar uma corte isenta na Rússia, já que muitos observadores apontam motivações políticas para a condenação (se você é assinante, leia também reportagem de EXAME sobre como Wladimir Putin governa a Rússia).

De acordo com The Wall Street Journal, o governo de Vladimir Putin vem tentando retratar o caso como um ato de repúdio contra um certo capitalismo corrupto e caótico que teria predominado no país durante os anos 90. Esse sistema teria permitido, por exemplo, que Khodorkovsky, um ex-líder da juventude comunista, conquistasse o controle da maior companhia de petróleo da Rússia e se tornasse o homem mais rico e influente do país.

O jornal americano observa, porém, que o modo como as autoridades russas estão desmantelando a Yukos, sob a alegação de que a companhia deve 28 bilhões de dólares em taxas e impostos, parece sustentar o argumento de Khodorkovsky de que todo o episódio tem, como objetivo, apenas permitir que o governo assuma o controle da companhia.

Ainda que saia vitorioso da disputa, Putin começa a ser alertado pela comunidade internacional dos danos que a decisão está trazendo à imagem da Rússia diante dos investidores. Na semana passada, por exemplo, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico previu “um considerável dano ao ambiente de negócios na Rússia”, caso a situação entre o Kremlim e a Yukos fosse mantida.

“O pânico entre os empresários russos só crescerá diante dessa sentença, o que levará a uma maior fuga de capital do país”, afirmou a The Wall Street Journal o parlamentar Gennady Gudkov, membro da base de apoio de Putin.