Ex-jogador de futebol, George Weah é eleito presidente da Libéria

Melhor jogador do mundo em 1995, Weah enfrenta críticas de opositores de que é manipulado pela atual presidente, Ellen Johnson-Sirleaf

São Paulo – Um dos países mais pobres e frágeis do mundo, a Libéria finalmente escolheu o nome que sucederá Ellen Johnson-Sirleaf, a primeira mulher eleita ao posto de chefe de Estado em toda a África. E essa pessoa será o ex-jogador de futebol George Weah.

O anúncio da sua vitória foi feito na manhã desta quarta-feira. Nas redes sociais, agradeceu ao povo da Libéria pela confiança. Ele será o 25º presidente da história do país.

A disputa do 2º turno deveria ter acontecido em novembro passado, mas após uma acusação de fraude feita por um dos candidatos que havia ficado em 3º lugar durante o 1º turno, que aconteceu em outubro. Com isso, a votação foi suspensa e remarcada para a última terça-feira e Weah disputou o pleito com Joseph Boaki, vice-presidente de Ellen.

O presidente sul-africano, Jacob Zuma, elogiou o que chamou de eleição pacífica no país africano e parabenizou Weah pela vitória.

Quem é George Weah

George Weah, ex-astro internacional do PSG e do Milan na década de 1990, e se tornou o favorito por ter recebido mais votos no primeiro turno e por seu bom desempenho em 11 das 15 províncias do país. Sua vice é Jewel Howard-Taylor, ex-mulher do ex-presidente e ex-senhor da guerra Charles Taylor.

Essa, no entanto, não é a primeira vez que Weah tenta a eleição para os cargos mais altos do país: o fez em 2005 como candidato a presidente e em 2011 como aspirante à vice. Desde 2014 é senador pela província de Montserrado, a mais populosa da Libéria.

Weah ganhou a Bola de Ouro em 1995, prêmio que reconhece o melhor jogador do mundo do momento. Criado pela avó em uma das áreas mais pobres da capital da Libéria, Monróvia, o ex-jogador tem o apoio do eleitorado jovem, além de ser da etnia Kru, uma das mais importantes do país.

A base de seu programa é educação, criação de empregos e infraestrutura. Críticos de sua candidatura à presidência alegam que ele vem sendo manipulado por Ellen e que tudo não passa de uma manobra para que ela continue com suas mãos no poder.