Evangelos Venizelos é novo candidato socialista na Grécia

O líder tenta se apresentar como garantia para a economia grega

Atenas – O líder socialista grego Evangelos Venizelos tenta limitar a provável derrota de seu partido, apresentando-se como uma garantia para a economia de seu país, depois de ter negociado com seus credores um acordo para reestruturar a dívida, quando era ministro das Finanças.

No entanto, Venizelos tem outro desafio pela frente: conseguir limitar a queda do PASOK (socialista), que conta com poucas intenções de voto, segundo as pesquisas.

Liderado pelo primeiro-ministro Lucas Papademos, Venizelos negociou a reestruturação da dívida, obteve fundos suplementares de credores institucionais e impôs a adoção de novas medidas de austeridade, após a aliança com a direita em novembro.

Nessa época, Venizelos manteve seu posto crucial de ministro das Finanças e o título de vice-primeiro-ministro no novo governo grego, depois de ter contribuído para a retirada do primeiro-ministro socialista Giorgos Papandreou.

Papandreou havia catapultado Venizelos ao posto de ministro das Finanças em junho de 2011, no âmbito de uma mudança de governo para tentar recuperar o controle do país e do partido, em meio a um crescente descontentamento contra a austeridade.

Depois de substituir o tecnocrata Giorgos Papaconstantinou, muito apreciado em Bruxelas, mas carente de habilidade política na Grécia, Venizelos foi criticado pelos credores.

Nomeado há pouco tempo, um cientista político grande conhecedor da situação grega declarou à AFP que “duvidava das possibilidades” deste brilhante jurista constitucionalista, apesar de uma experiência ministerial de mais de 10 anos, durante a qual ocupou poucos postos econômicos.

No entanto, posteriormente, Venizelos teve um papel chave nas negociações sobre a dívida.

Apreciado no mundo dos negócios grego, conhecedor dos meandros das esferas do poder, próximo aos círculos ortodoxos, Venizelos havia sido derrotado nas primárias socialistas em 2007 contra Papandreou.

Embora depois tenha mostrado sua lealdade ao primeiro-ministro em fim de mandato, Venizelos o empurrou para o precipício ao se desvincular rapidamente em novembro de 2011 do projeto de Papandreou de convocar um referendo que espalhou o pânico nos mercados e nos governos europeus.

Originário de Salônica, a grande cidade do norte da Grécia, onde se casou com uma herdeira de uma família de industriais, Venizelos foi deputado sem interrupção desde 1993.

Apesar de ter o mesmo sobrenome, Venizelos não tem nenhum vínculo familiar com Eleftherios Venizelos, considerado como o pai da Grécia moderna.

Em 1993 iniciou no cargo de porta-voz do governo um percurso que o levou, durante os sucessivos governos socialistas gregos, pelos ministérios de Transporte, Justiça, Desenvolvimento e Cultura, cargo este último a partir do qual supervisionou a preparação do país para os jogos olímpicos de 2004.