Europa intensificará pressão sobre o Irã

Os 27 ministros das Relações Exteriores da UE aprovaram o "duro" pacote de sanções contra Teerã durante uma reunião em Luxemburgo

Luxemburgo – A União Europeia (UE) reforçou nesta segunda-feira o arsenal de sanções financeiras e comerciais contra o Irã, tendo como alvo, sobretudo, os setores de energia e finanças, para forçar Teerã a retornar à mesa de negociações por seu polêmico programa nuclear.

Os 27 ministros das Relações Exteriores da UE aprovaram o “duro” pacote de sanções contra Teerã durante uma reunião em Luxemburgo.

“O Irã age em violação flagrante de suas obrigações internacionais ao continuar rejeitando cooperar com a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) para responder às inquietações sobre seu programa nuclear”, indicou a UE em um comunicado.

“As medidas restritivas acordadas nesta segunda-feira estão dirigidas a afetar o programa nuclear iraniano e os fundos do regime iraniano para financiar o programa”, acrescentou.

As sanções “não estão dirigidas à população civil”, esclareceu.

“Este é um sinal de nossa determinação na União Europeia”, disse mais cedo o chanceler britânico, William Hague. As sanções “aumentarão a pressão e vamos seguir fazendo isso nos próximos meses”, assegurou. “Exceto se as negociações forem bem-sucedidas”, disse.

Os países ocidentais impuseram progressivamente há dois anos um embargo econômico contra o Irã, que provocou uma queda das exportações e da produção petroleira, principal riqueza do país, uma desvalorização da moeda devido à escassez de divisas, uma desaceleração da economia e um aumento do desemprego.

As negociações entre o Irã e as grandes potências sobre o dossiê nuclear iraniano se encontram estancadas há vários anos.

Por outro lado, Teerã foi alvo de várias rodadas de sanções internacionais do Conselho de Segurança da ONU.

O Ocidente suspeita que o Irã tenta fabricar armas atômicas se escondendo em um programa nuclear civil, algo que o governo iraniano desmente.