EUA querem “solução pacífica” para crise na Venezuela, diz Pence

Pence disse que os EUA continuarão empregando seu "poder político e econômico" contra a Venezuela até que a democracia seja restabelecida no país

Os Estados Unidos esperam encontrar uma “solução pacífica” e concertada com seus aliados na América Latina para a crise na Venezuela, afirmou neste domingo o vice-presidente Mike Pence após reunir-se com o mandatário colombiano, Juan Manuel Santos.

“O presidente (Donald Trump) tem confiança que, ao trabalhar com nossos aliados na América Latina, vamos poder conseguir uma solução pacífica para a crise enfrentada pelo povo venezuelano”, disse Pence através de um intérprete, na cidade de Cartagena, onde chegou neste domingo.

Segundo o vice-presidente, Washington continuará empregando seu “poder político e econômico” contra o governo de Maduro até que a democracia na Venezuela seja restabelecida.

“A Venezuela está a caminho da ditadura e como disse o presidente Trump, os Estados Unidos não vão ficar quietos. Vamos continuar trabalhando com as nações do hemisfério até que se restaure a democracia para o povo venezuelano”, enfatizou.

Pence acrescentou que sua viagem a Colômbia, Argentina, Chile e Panamá busca precisamente reunir esforços para “conseguir a restauração da democracia da Venezuela por meios pacíficos”.

Durante a reunião, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, pediu a Pence, que desconsidere uma eventual “intervenção militar” na Venezuela, após a advertência lançada nesse sentido pelo presidente Donald Trump.

“Expressei ao vice-presidente Pence que a possibilidade de uma intervenção militar não deve ser contemplada. Nem a Colômbia nem a América Latina -do sul do Rio Grande até a Patagônia, poderiam estar de acordo”, disse Santos em uma declaração à imprensa com o líder americano.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Luiz Fernando Pegorer

    A hipocrisia doutrinada é tanta que o povo está fugindo da crise na Venezuela, causada por crescentes embargos econômicos e estímulo e movimentos contra o governo alimentada por intrigas e calúnias e a humanidade faz de conta que acredita que isto ajudará os nossos vizinhos nesta nova ocupação dos governos da América Latina através de golpes agora “democráticos”.

  2. Luiz Fernando Pegorer

    Eu não já disse isto censor.

  3. Luiz Fernando Pegorer

    Não disse isto antes não senhor censor.