EUA pedem reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre Irã

No começo desta sexta, o presidente dos EUA, Donald Trump, havia autorizado um ataque contra o Irã, mas recuou minutos antes do início da ação

Os Estados Unidos pediram uma reunião a portas fechadas do Conselho de Segurança da ONU na segunda-feira (24) para discutir os últimos acontecimentos ligados ao Irã no Golfo. É o que afirmam fontes diplomáticas nesta sexta-feira (21).

O pedido americano é que os 15 membros do Conselho de Segurança discutam “os mais recentes desenvolvimentos ligados ao Irã e os recentes incidentes relacionados a petroleiros”, disse uma das fontes, sob condição de anonimato.

Na manhã desta sexta-feira, veio à tona a notícia de que o presidente dos EUA, Donald Trump, havia autorizado um ataque contra o Irã, que seria realizado nessa madrugada, mas recuou minutos antes do início da ação.

 

O Exército dos Estados Unidos chegou a preparar um ataque ao Irã na noite da quinta-feira, 20, em retaliação à derrubada de um drone de vigilância americano pelo país persa, mas o presidente Donald Trump voltou atrás abruptamente e desautorizou a operação. A informação foi revelada pelo jornal The New York Times.

Sem aviso dos EUA ao Irã

Ainda nesta sexta, o Irã desmentiu a informação de que o presidente americano teria enviado à noite, por mediação de Omã, uma mensagem advertindo Teerã sobre um iminente ataque americano.

“Os Estados Unidos não enviaram qualquer mensagem por intermédio de Omã para o Irã”, declarou o porta-voz do Conselho Supremo de Segurança Nacional, Keyvan Khosravi, citado pela televisão estatal. “Não há nada de correto nisso”, acrescentou.

Segundo a televisão estatal, Khosravi reagia a uma informação dada por dois jornais estrangeiros. Ambos os veículos noticiaram que, por meio do sultanato de Omã, os EUA teriam alertado que estavam se preparando para lançar um ataque contra o Irã a menos que a República Islâmica aceitasse negociar.

A tensão entre Irã e

Tensão entre EUA e Irã

A tensão entre Estados Unidos e Irã aumentou consideravelmente nos últimos dias, após semanas de animosidade crescente entre os países.

A situação se agravou na madrugada desta quinta-feira, com o abatimento do drone americano pela força aérea iraniana na região do estreito de Ormuz.