EUA: imprensa destaca continuidade com fragmentação política

Nos Estados Unidos, entre os principais jornais em suas edições digitais, "The New York Times" tinha como manchete "Estados Unidos divididos dão mais tempo a Obama"

Redação Internacional – A imprensa de todo o mundo parabenizou a reeleição do democrata Barack Obama nas eleições dos Estados Unidos, embora em cada país predominem os fatores da relação bilateral com a potência e as consequências internas a curto e médio prazo dos resultados eleitorais.

Nos Estados Unidos, entre os principais jornais em suas edições digitais, “The New York Times” tinha como manchete “Estados Unidos divididos dão mais tempo a Obama” enquanto “The Washington Post” escolheu”Mais trabalho a fazer”.

O “Los Angeles Times” postou que “Obama prevalece” e “The Miami Herald” foi sucinto: “Obama reeleito”.

A imprensa britânica, liderada por “The Times” afirma que um vitorioso Obama promete superar a crise que o país enfrenta, enquanto “The Guardian” opina que a vitória é um forte respaldo para os próximos quatro anos.

“The Daily Telegraph” contrasta o sabor agridoce da vitória com a euforia de quatro anos atrás e somente “The Independent” acrescenta que obteve a reeleição apesar um desemprego de 7,9% da população ativa.

“Izvestia”, o mais antigo jornal da imprensa russa, publicou com alívio: “Estados Unidos não terão por enquanto um presidente republicano e mundo pode respirar tranquilo”.

Já a publicação “Moskovkovski Kosomolets”, de maior tiragem na Rússia, destacou que, apesar de Obama ser reeleito, “a situação nos círculos dominantes nos Estados Unidos se mantém invariável”, já que os republicanos controlarão a Câmara dos Representantes.


“Outra vez Obama. Culpa da derrota de Romney é do Partido Republicano”, publicou a edição digital da publicação quinzenal “Novaya gazeta”.

Entre os veículos árabes, a imprensa digital egípcia destaca a vitória do atual líder faz eco das reações da Irmandade Muçulmana e de grupos revolucionários como o Movimento Jovens de 6 de Abril.

“Obama ganha um novo mandato”, diz o site do “Al-Ahram”, o jornal mais lido do Oriente Médio, enquanto a imprensa libanesa reúne as parabenizações que o vencedor das eleições recebeu.

“O mundo se apressa a felicitar Obama”, segundo o diário “L”Orient-Le Jour” enquanto outros como “Al Akhbar” destacam que a oposição síria espera que a guerra civil se transforme em uma prioridade para o líder dos EUA.

A imprensa indiana recebeu com certo otimismo a reeleição de Barack Obama, embora destaque que terá que construir consensos com o Congresso para aprovar leis e expressa incerteza quanto à política comercial.

“A economia dominará o segundo mandato” e falas retiradas diretamente do discurso do presidente Obama dominam as edições “online” dos principais meios de comunicação.

Em algumas das principais capitais africanas a vitória é quase abordada como um assunto nacional, como é o caso do Quênia, país do pai do presidente americano.

“Quênia aclama a vitória de Obama”, diz a edição digital do “Daily Nation” de Nairóbi enquanto o popular periódico sul-africano “The Star” opta pelo tom otimista: “Obama: O melhor está por vir”.