EUA estudam “opções” para enviar imigrantes ilegais a “cidades santuário”

Trump defendeu em um tweet no sábado que "os EUA têm o direito legal absoluto de transferir às cidades santuário os imigrantes ilegais" que detêm

Washington — A Casa Branca confirmou neste domingo, 14, que está estudando possíveis “opções” para transferir os imigrantes ilegais que são detidos na fronteira às chamadas “cidades santuário” dos Estados Unidos, diante da insistência do presidente americano, Donald Trump, em uma ideia que sua equipe descartou há meses.

“Esta é uma opção sobre a mesa”, disse a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, em entrevista à rede de televisão “ABC News”.

Trump afirmou na última sexta-feira que estava considerando “a sério” a possibilidade de enviar – provavelmente de ônibus – os imigrantes ilegais detidos pelas autoridades migratórias às cidades “santuário”, localidades geralmente lideradas por democratas que não destinam recursos à perseguição de imigrantes.

“(Esta ideia) foi colocada em nível de pessoal (do governo), e foi determinada nesse momento que, logisticamente, havia muitos desafios e provavelmente não fazia sentido seguir adiante, e a ideia não avançou mais”, reconheceu Sanders.

Mas Trump “escutou a ideia e gostou, e estamos vendo se há opções que a tornem possível, e fazendo uma revisão completa e exaustiva” da ideia, acrescentou.

A porta-voz não quis se pronunciar sobre a legalidade da medida, que segundo vários relatórios de imprensa foi questionada pelos próprios advogados do Departamento de Segurança Nacional.

Trump defendeu em um tweet no sábado que “os EUA têm o direito legal absoluto de transferir às cidades santuário os imigrantes ilegais” que detêm.

“Nós exigimos que eles sejam cuidados no mais alto nível, especialmente no estado da Califórnia, conhecido pela sua má gestão e seus altos impostos!”, exclamou Trump.

O presidente americano criticou duramente desde que chegou ao poder as jurisdições “santuário” dos EUA, cerca de 200 cidades e condados do país que não destinam recursos à perseguição de imigrantes e se negam a informar às autoridades federais o status migratório das pessoas detidas.

Entre esses territórios estão cidades importantes como Nova York e Chicago, além de todo o estado da Califórnia.

Sua nova proposta pretende enviar uma mensagem aos democratas que governam essas regiões, mas os analistas acreditam que isso poderia ter um efeito contraproducente para Trump, ao fazer com que os imigrantes ilegais estejam mais protegidos contra a deportação do que em outras cidades que cooperam com as agências federais. EFE