EUA dizem que morte de francês é “afronta à humanidade”

Funcionário do governo americano ressaltou que os "EUA obviamente mostram sua total solidariedade com nossos aliados franceses"

Nações Unidas – O governo americano qualificou nesta quarta-feira a morte do francês Hervé Gourdel de “afronta a toda a humanidade”, sequestrado no domingo na Argélia por um grupo vinculado ao jihadista Estado Islâmico (EI).

“É uma ação horrenda que representa uma afronta a toda a humanidade”, indicou um alto funcionário americano, que pediu anonimato aos jornalistas que acompanham o presidente Barack Obama durante sua participação na Assembleia Geral das Nações Unidas.

O funcionário ressaltou que os “EUA obviamente mostram sua total solidariedade com nossos aliados franceses”.

Por fim, o alto cargo da delegação americana apontou que “o grupo responsável afirma estar vinculado ao EI, mas isto não significa que esteja sob controle direto ou seja dirigido pelo EI”.

A morte de Gourdel foi confirmada pelo presidente da França, François Hollande, que também se encontra em Nova York para participar da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Gourdel “foi assassinado vil e cruelmente”, assinalou o presidente da França.

A França é um dos países que faz parte da coalizão internacional liderada pelos EUA que lançou ataques aéreos contra posições do EI no Iraque.

O grupo terrorista Jund al Khilafa (Soldados do Califado), vinculado ao EI, ameaçou ontem, terça-feira, matar o refém francês se, em um prazo de 24 horas, a França não cessasse suas operações contra os jihadistas no Iraque, que se iniciaram na sexta-feira passada.