EUA dizem para agências de refugiados reduzirem operações no país

Defensores das agências disseram que a decisão deve levar ao fechamento de dezenas de escritórios de reassentamento no país

O Departamento de Estado norte-americano informou a agências de refugiados que irá reduzir acentuadamente o número de escritórios no país autorizados a reassentar pessoas em 2018, conforme o presidente Donald Trump corta o número de refugiados com permissão a entrar nos Estados Unidos.

O anúncio foi feito em um encontro em 1º de dezembro em Washington com autoridades do Departamento do Estado e representantes de nove grandes agências de refugiados, disseram diversos executivos das agências.

Defensores das agências disseram que a decisão deve levar ao fechamento de dezenas de escritórios de reassentamento no país, possivelmente deixando alguns refugiados sem acesso a serviços que os ajudam na integração à vida americana. Diversos coordenadores estaduais de refugiados disseram que também foram informados sobre os fechamentos.

O reassentamento de refugiados nos EUA é gerenciado por nove agências sem fins lucrativos que recebem financiamento do governo federal por alguns de seus trabalhos com refugiados. Elas se juntam com, ou supervisionam, diversos escritórios locais em quase todos os Estados que ajudam recém-chegados com questões básicas, como inscrição em escolas, agendamento de consultas médicas e solicitação de carteiras da previdência e outros documentos.

Embora as agências sejam independentes, elas precisam que o governo aprove onde irão reassentar novos refugiados.

Funcionários humanitários e autoridades estaduais envolvidas no reassentamento de refugiados disseram que as agências foram informadas pelo Departamento de Estado no encontro em 1º de dezembro que escritórios que lidariam com menos de 100 refugiados no ano fiscal de 2018 não terão mais autorização para reassentar novos desembarques, o que significa que muitos deles terão que fechar.

Há cerca de 300 escritórios de reassentamento espalhados por 49 Estados e defensores estimam que diversas dúzias estão em risco, embora planos de fechamento não sejam finalizados até o próximo ano.

O governo Trump disse querer que refugiados se adaptem rapidamente, tanto para promover segurança nacional quanto para que possam se tornar autossuficientes.

Defensores dos refugiados dizem que o fechamento de escritórios locais irá prejudicar este objetivo. Eles dizem que os escritórios desempenham uma função crucial na ajuda de recém-chegados traumatizados por terem fugido de conflito ou perseguição.

Mesmo que novos refugiados não sejam reassentados pelos escritórios, eles ainda possuem uma obrigação de ajudar os que já estão no país, disseram.