EUA denunciam repressão na Venezuela e pedem eleições livres

Os adversários de Maduro estão exigindo eleições gerais, a libertação de ativistas, ajuda humanitária e autonomia para a Assembleia Nacional

Genebra – Os Estados Unidos denunciaram o governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, nesta terça-feira, por reprimir protestos, e pediram a realização de eleições livres.

“Esta é uma crise econômica, política e humanitária que exige a atenção do mundo”, disse Nikki Haley, embaixadora norte-americana na Organização das Nações Unidas (ONU), a uma comissão de ativistas venezuelanos e especialistas presidida pelos EUA nos bastidores do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra.

“O governo venezuelano está envolto na destruição dos direitos humanos e da democracia na Venezuela. Está realizando uma campanha de violência e intimidação contra manifestantes desarmados, negócios, a sociedade civil e a oposição política eleita livremente”, disse.

O governo Maduro classifica os manifestantes como golpistas violentos apoiados pelos Estados Unidos.

Ao menos 65 pessoas já morreram nos tumultos desde o início de abril, e centenas mais ficaram feridas. Cerca de 3 mil pessoas foram presas e aproximadamente um terço delas permanece na prisão, segundo o grupo de direitos humanos Penal Forum.

“Mais de 300 pessoas presas em manifestações foram levadas a tribunais militares. Elas estão sendo tratadas como uma forma de prisioneiros de guerra”, disse Alonso Medina Roa, do Penal Reform, que está providenciando a defesa legal de centenas delas, durante o evento.

Os adversários de Maduro estão exigindo eleições gerais, a libertação de ativistas presos, ajuda humanitária do exterior e autonomia para a Assembleia Nacional, controlada pela oposição.

Em maio Maduro anunciou o plano de uma Assembleia Constituinte para reescrever a constituição, o que diz ser uma iniciativa para recuperar a paz.

Mas opositores afirmam que ele quer evitar eleições nacionais e que ignorou os clamores pelo fim da escassez grave de alimentos e remédios.

“O regime da Venezuela não engana ninguém. Reconhecendo que seu controle sobre o poder diminuiu, mais uma vez está tentando mudar as regras do jogo”, disse Haley.

“Há muitas coisas que poderiam ser feitas para ajudar o povo da Venezuela. Mas ele só precisa realmente de uma coisa: uma eleição livre”.

A Venezuela está em último lugar no ranking latino-americano de transparência, disse Mercedes de Freitas, diretora-executiva da filial venezuelana da Transparência Internacional.

Ela culpa as “instituições e leis extremamente fracas sendo constantemente alteradas para aumentar a opacidade”.

Louis Charbonneau, da entidade Human Rights Watch, disse: “Existe uma enorme concentração de poder, não sobraram instituições independentes para agirem como contraponto ao poder executivo”.