EUA aprova cortes drásticos em ajuda militar ao Paquistão

No total, este projeto de lei de finanças destina 184 milhões de dólares a operações do Departamento de Estado no Paquistão e 800,3 milhões a Islamabad

Washington – Uma comissão do Senado americano aprovou nesta quinta-feira medidas que apontam para a redução da ajuda dos Estados Unidos ao Paquistão devido a tensões entre os dois países e à condenação na quarta-feira de um médico que ajudou a CIA a encontrar Osama bin Laden.

Uma emenda proposta pelo senador republicano Lindsey Graham para cortar em 33 milhões de dólares em ajuda ao Paquistão foi aprovada por unanimidade, com 30 votos a favor e nenhum contra.

O valor foi estabelecido baseado nos anos de prisão para o médico Shakeel Afridi, condenado na quarta-feira em primeira instância por traição, entre outras acusações. A pena de 33 anos de prisão foi infligida por um tribunal tribal, que considerou que Afridi havia ajudado a CIA a encontrar Osama bin Laden, morto em maio de 2011 por um comando americano no norte do país.

A senadora democrata Dianne Feinstein, presidente da comissão de Inteligência, considerou que Afridi “não é um espião”.

Os legisladores também aprovaram um corte de 58% na ajuda ao Paquistão se o país não voltar a permitir o trânsito de militares americanos para abastecer seus soldados no Afeganistão, um corte da ajuda ao Afeganistão de 28% e de 77% na destinada ao Iraque.

No total, este projeto de lei de finanças destina 184 milhões de dólares a operações do Departamento de Estado no Paquistão e 800,3 milhões a Islamabad, dos quais 50 milhões para o combate ao extremismo violento.

Esses cortes apontam exclusivamente para a ajuda militar e não para a ajuda financeira, o que mantém intacta a ajuda de 475 milhões.

“Se o Paquistão trata um amigo e um herói dessa forma, não estou certa destes recursos”, disse Feinstein sobre a condenação de Afridi.

Uma subcomissão já havia aprovado essas reduções drásticas na terça-feira.

Os fundos destinados à ajuda internacional chegam a 52 bilhões de dólares.

O texto tem agora que ser aprovado pelo Senado.