Estudantes protestam no distrito financeiro de Hong Kong

Estudantes grevistas de Hong Kong iniciaram uma manifestação no distrito financeiro da cidade

Hong Kong – Estudantes grevistas de Hong Kong iniciaram uma manifestação nesta quarta-feira no distrito financeiro da cidade, levando pela primeira vez seu protesto por mais direitos democráticos a esta zona da capital.

Vários grupos estudantis deram esta semana um novo impulso à campanha de uma coalizão de movimentos pró-democráticos liderada pelo grupo Occupy Central contra a decisão de Pequim de limitar o alcance do voto universal.

Os estudantes universitários já haviam reunido na segunda-feira 13.000 pessoas, segundo os organizadores, em um campus ao norte da cidade.

Na terça-feira, os estudantes transferiram seu protesto a um parque diante da sede do governo desta região autônoma sob administração chinesa.

Trezentos estudantes estavam reunidos ao início da marcha desta quarta-feira, comprovou um jornalista da AFP. Os manifestantes não planejam realizar ações diretas durante o protesto, que percorrerá o distrito Central, onde muitas companhias internacionais têm sua sede.

A China, que recuperou Hong Kong em 1997, anunciou em agosto que o futuro chefe do Executivo local será eleito por sufrágio universal a partir de 2017, mas que apenas dois ou três candidatos selecionados por um comitê poderão se apresentar às eleições.

O Occupy Central, o maior dos grupos pró-democracia, prometeu tomar o distrito Central caso seu pedido para que os cidadãos de Hong Kong possam eleger os candidatos para estas eleições não seja atendido.

O líder da federação de estudantes, Alex Chow, deu como prazo ao chefe do executivo de Hong Kong, Leung Chun-ying, até a manhã de quinta-feira para se reunir com seus delegados, e garantiu que se Leung se negar a fazê-lo os estudantes intensificarão suas ações.

O co-fundador do Occupy Central, Benny Tai, disse que a ocupação do distrito Central pode começar em 1 de outubro, dia de festa nacional, quando grande parte do distrito estará vazio.

Os estudantes planejam manter seu protesto ao menos até sexta-feira.