Espanha começa a votar em eleição geral após campanha tensa

Pelo menos cinco partidos de todo o espectro político têm uma chance de estar no governo e podem ter dificuldade em chegar a um acordo entre eles

Madri – Começou neste domingo (28), a votação na eleição mais disputada da Espanha em décadas, que deve resultar em um parlamento fragmentado, no qual a extrema direita terá uma presença considerável pela primeira vez desde o retorno do país para a democracia.

Após uma tensa campanha dominada por questões como identidade nacional e igualdade de gênero, a probabilidade de que qualquer acordo de coalizão leve semanas ou meses para ser intermediado irá alimentar um clima mais amplo de incerteza política em toda a Europa.

Pelo menos cinco partidos de todo o espectro político têm uma chance de estar no governo e podem ter dificuldade em chegar a um acordo entre eles, o que significa que repetir a eleição é um dos vários resultados possíveis.

Algumas coisas são claras, no entanto, baseadas em pesquisas de opinião e conversas com pessoas de dentro do partido. Nenhuma das partes obterá a maioria; o partido socialista do primeiro-ministro de saída, Pedro Sanchez, lidera a corrida; e haverá parlamentares do partido Vox de extrema-direita.

Além disso, o resultado está apertado demais para alguma previsão.

A votação começou às 9h (horário local) e termina às 20h na Espanha continental para aquela que será a terceira eleição nacional do país em quatro anos.

“Depois de muitos anos de instabilidade e incerteza, é importante que hoje enviemos uma mensagem clara e definida sobre a Espanha que queremos. E a partir daí uma ampla maioria parlamentar deve ser construída para apoiar um governo estável”, disse Sanchez a repórteres após votar em um local de votação perto de Madri.

É incerto se Sanchez conseguirá permanecer no cargo e quantos aliados ele precisaria reunir para fazer isso.

Se, além do partido de extrema-esquerda anti-austeridade Podemos e outros pequenos partidos, Sanchez também precisar do apoio dos parlamentares separatistas catalães, as negociações serão longas e seu resultado pouco claro.

Pesquisas de opinião, que terminaram na segunda-feira, sugeriram que será mais difícil dividir a ala direita entre três partidos – o centro-direita Ciudadanos, o conservador Partido do Povo (PP) e o Vox – para conquistar a maioria, mas esse cenário está dentro da margem de erro e não pode ser descartada.

Votando em Barcelona, ​​o líder dos Ciudadanos, Albert Rivera, renovou os pedidos para tirar Sanchez, cujo tom mais conciliatório em relação aos separatistas catalães enfureceu a direita, que chamou Sanchez de “traidor” durante uma campanha muitas vezes dominada pela crise secessionista.

“Estas não são eleições normais. O que está em jogo é se queremos permanecer unidos, se queremos continuar sendo cidadãos livres e iguais, se queremos uma Espanha que olha para o passado ou para o futuro, um país de extremos ou de moderação “, disse Rivera aos repórteres depois de votar.

A participação na eleição nacional da Espanha estava em 41,4 por cento às 14h no domingo, de acordo com dados do Ministério do Interior, em comparação com 36,9 por cento registrados no mesmo período em que as eleições anteriores ocorreram em junho de 2016.