Escolas de negócios da China avançam em ranking do Financial Times

País precisa todos os anos de 300 mil profissionais com MBA para competir internacionalmente

A China está emergindo como um dos principais centros de educação executiva. Um levantamento do jornal britânico Financial Times aponta que entre os vinte melhores programas de MBA do mundo, quatro estão na China (leia reportagem de EXAME sobre livro que critica cursos de MBA). Para o jornal, o dado reforça o sucesso chinês em suprir a crescente demanda por educação de alta qualidade para a condução dos negócios, ao mesmo tempo em que a economia adquire relevância mundial.

A reportagem nota que o fenômeno ocorre ao mesmo tempo em que crescem as restrições americanas para a concessão de visto de estudante. Outra característica é que todas as escolas de administração chinesas listadas entre as melhores do mundo são apoiadas por instituições ocidentais.

O programa chinês com melhor posição no ranking (6º lugar) é mantido pela Universidade de Ciências e Tecnologia de Hong Kong em parceria com o instituto americano Kellogg e está à frente dos oferecidos pela universidade Columbia de Nova York e pela London Business School. Empresários e acadêmicos chineses estimam que o país necessita anualmente de 300 mil formados em programas de MBA para que o país tenha condições de competir internacionalmente.