Erupções e chuvas complicam resgate de vítimas de vulcão na Guatemala

O instituto estatal que controla as atividade do Vulcão de Fogo disse que a intensa atividade do vulcânica pode se prolongar nas próximas horas e dias

As autoridades da Guatemala suspenderam os resgates em San Miguel Los Lotes depois que o Vulcão de Fogo intensificou sua atividade e fortes chuvas provocaram deslizamentos de terra, com a evacuação dos moradores, que nesta terça-feira continuavam empenhados em encontrar seus familiares desaparecidos.

Um deslizamento provocado pelas chuvas de segunda-feira à tarde arrastou material vulcânico e pedras que encheram parte da estrada que atravessa a “zona zero”, o que impede que brigadas de socorristas regressem ao local da tragédia.

David de León, porta-voz da Coordenadora Nacional para a Redução de Desastres (Conred), disse que nesta terça-feira foi evacuada da área do desastre, onde um pequeno grupo de moradores entrou horas antes, apesar do risco de mais deslizamentos pelas chuvas.

Os sobreviventes do desastre entraram nesta manhã na área devastada, apesar das advertências constantes, com a intenção de seguir cavando para encontrar rastros de algum familiar vítima desta tragédia, que deixou 110 mortos e 197 desaparecidos, nove dias depois de San Miguel Los Lotes ser sepultado pelo material expelido pelo vulcão.

Os moradores utilizaram maquinaria pesada emprestada por empresas privadas para remover a areia que permanece a altas temperaturas e encontraram os restos de uma pessoa.

O instituto estatal encarregado de controlar a atividade do vulcão (INSIVUMEH) emitiu um relatório às 07H00 locais (10H00 em Brasília) desta terça-feira, no qual informava da “descida de fluxos piroclásticos” e uma “cortina de cinzas” de até 6.000 metros de altura.

A entidade científica advertiu que a intensa atividade vulcânica pode se prolongar nas próximas horas e dias, de modo que recomenda à Conred “tomar as precauções necessárias e estabelecer o nível de alerta que considere necessário”.

O organismo de Defesa Civil enfrenta duras críticas por não ter ordenado os moradores dessa zona abandonarem suas casas, segundo a versão de alguns sobreviventes. A Procuradoria informou que abriu uma investigação penal para determinar se houve negligência na gestão da tragédia.

O policial Donaldo Chután, de 45 anos, morreu na segunda-feira arrastado pela cheia de um rio, provocada pelas intensas chuvas na zona, entre as aldeias de Chuchú, Guadalupe e El Zapote.

No veículo da Polícia Nacional Civil viajavam também três moradores e outros dois agentes que realizavam trabalhos de ajuda humanitária em povoados que ficaram incomunicáveis pela erupção do vulcão há nove dias na vertente sudoeste do colosso.

A busca dos desaparecidos tem sido intermitente desde 3 de junho, o dia da catástrofe, pelo desprendimento de material vulcânico devido a uma fissura na cratera do vulcão.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s