Merkel visita Putin, dividida entre o gás e a Síria

ÀS SETE - Os dois vão tratar de tudo um pouco, inclusive da guerra na Síria e da construção de uma linha de gás entre a Rússia e a Alemanha

A chanceler alemã, Angela Merkel, visita nesta sexta-feira o recém-reeleito presidente russo, Vladimir Putin, na cidade balneária de Sochi. Temas importantes a serem tratados não faltam: a recente onda de violência em Gaza, a resposta europeia à saída americana do acordo nuclear com o Irã, o eterno conflito na Ucrânia, e, principalmente, a construção de uma linha de gás entre a Rússia e a Alemanha. É a primeira visita de Merkel a Putin em um ano.

A construção dos dutos de gás, projeto batizado de Nord Stream 2, mostram como geopolítica e economia estão relacionados na Europa. Com capacidade de 55 bilhões de metros cúbicos, os dutos são essenciais para a sustentabilidade econômica da Alemanha, a maior importadora de gás do planeta, mas passam por territórios conflagrados. Pelo acordo inicial, a Ucrânia receberia 3 bilhões de euros por ano para permitir a passagem da tubulação.

Mas Merkel tem dito que não pode levar o projeto à frente sem uma definição sobre o futuro político do país. A Ucrânia teve a região da Crimeia invadida pela Rússia em 2014 e, desde então, a líder alemã é uma das mais duras defensoras de novas sanções econômicas e políticas contra Moscou. O próprio governo da Ucrânia afirma que o projeto viola a definição de sanções contra a Rússia.

Em recente visita a Berlim, a secretária americana Sandra Oudkirk afirmou que seu país é contra o projeto porque pode expandir a “influência maligna” da Rússia sobre a Europa. “Adoraríamos que o projeto não fosse adiante”, disse, Oudkirk.

Merkel também deve usar o encontro para cobrar uma postura mais ativa de Putin para encerrar o conflito na Síria e para que o Irã mantenha seus compromissos com o acordo nuclear. Merkel disse que ontem que a guerra na Síria não pode terminar “sem Rússia, Turquia, Irã, Arábia Saudita, Jordânia e, basicamente, sem a Europa”. ONGs de direitos humanos cobram da presidente alemã também uma postura mais ativa para o fim de detenções políticas no país, que voltaram a ganhar força na campanha de reeleição de Putin, em março.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s