Empresa fantasma leva a maior unidade da Yukos em leilão

<I>Edifício em que deveria estar a sede do Baikal Finance Group tem loja de bebidas, loja de telefones celulares, um mercado e um bar. Nem sinal de escritório</I>

O desconhecido Baikal Finance Group arrematou em leilão neste domingo a maior unidade de produção da gigante petrolífera russa Yukos. A Yuganskneftegaz foi vendida por 9,37 bilhões de dólares, metade de seu valor de mercado. O jornal americano The Wall Street Journal desta segunda-feira (20/12) informa que o edifício em que estaria a sede do Baikal, numa cidade a 160 quilômetros de Moscou, possui uma loja de bebidas, outra de aparelhos celulares, um mercado e um bar chamado Café London.

O jornal americano diz que a explicação consensual entre os observadores é que a empresa serve de fachada ou para a Gazprom – estatal russa de gás natural ou para a Surgutneftegaz, um grupo petrolífero siberiano que tem “laços íntimos” com o presidente russo Vladimir Putin.

Um analista ouvido pelo The Wall Street Journal afirma que o grupo Baikal está apenas “armazenando” a subsidiária da Yukos até que as questões legais sejam solucionadas. Uma juíza do Texas concedeu liminar na semana passada determinando a suspensão do leilão por dez dias. O governo russo manteve o leilão, mas um consórcio de bancos ocidentais que iriam apoiar o lance da estatal Gazprom acharam mais prudente retirar o financiamento, para não comprar briga com os Estados Unidos.

O presidente executivo da Yukos, Steven Theede, afirma que a companhia deixou de investir nos últimos quatro meses entre 750 e 800 milhões de dólares – o que já estaria começando a afetar a produção. Os receios de interrupção das atividades da Yukos ajudaram a elevar a cotação do petróleo a picos históricos durante 2004 – embora a companhia jamais tenha realmente apresentado quedas importantes de desempenho.