Elo entre Hezbollah e tráfico na América Latina preocupa EUA

Governos americano e israelense apontam para a cooperação entre o Hezbollah e cartéis no México

A relação entre grupos terroristas islâmicos e narcotraficantes latino-americanos preocupa a seção de contraterrorismo do Departamento de Estado dos EUA.

Um exemplo disso é a cooperação entre o Hezbollah e cartéis no México, apontada pelos governos americano e israelense.

Outro foco de escrutínio é a relação entre Venezuela e Irã, assim como a rede de financiadores do grupo xiita libanês na Tríplice Fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

“Temos de estar atentos ao risco de que se estabeleçam relações entre grupos terroristas e o crime organizado”, disse o coordenador de contraterrorismo para a América Latina do Departamento de Estado, Nathan Sales.

“Eles se adaptam facilmente e trabalham com qualquer parceiro. Os terroristas são oportunistas e buscam janelas para mover armas e pessoal.”

De acordo com o diplomata, esse padrão de conexão do Hezbollah com grupos criminosos pode ser verificado no México, na Venezuela e na Tríplice Fronteira.

No começo da semana, o governo de Israel destruiu túneis do Hezbollah. Um dos responsáveis pelo túnel, identificado como Imad Fahs, recebeu treinamento de cartéis mexicanos.

Há três meses, a PF prendeu em Foz do Iguaçu Assad Ahmad Bakarat, apontado como o principal financiador do Hezbollah na região.

“Temos muito interesse no desenvolvimento desse caso”, disse Sales.