Eleições na França: veja como foi o desempenho de Macron e Le Pen

Em eleição histórica que elegeu o centrista Emmanuel Macron ante a líder da extrema-direita Marine Le Pen, um em cada três franceses não votou

São Paulo – Na noite de domingo, 7 de maio, Emmanuel Macron (Em Marcha!) se consagrou como o novo presidente da França após derrotar a líder da extrema direita Marine Le Pen (Frente Nacional).

Agora, aos 39 anos de idade, o centrista faz história ao se tornar a pessoa mais jovem a ocupar o cargo e por ser o primeiro presidente em décadas que não pertence a nenhum dos partidos tradicionais (Partido Socialista e Os Republicanos).

Balanço

Este gráfico mostra como foi o desempenho de Macron e Le Pen no 1º e no 2º turno da eleição presidencial em números e de acordo com cada região.

A participação observada nas votações do 2º turno foi de 74,56% dos eleitores registrados. Em 2012, quando François Hollande (Partido Socialista) foi eleito, essa percentagem foi de 80,35% e, em 2007, eleição de Nicolas Sarkozy (Os Republicanos), foi de 83,97%.

De acordo com o Ministério do Interior, o índice de abstenção (25,44%) foi o maior registrado desde 1969. Já a taxa de votos brancos e nulos ficou em 9%, um recorde. Somando as abstenções, votos brancos e nulos, um em cada três eleitores optaram por não se manifestar em prol de nenhum dos dois candidatos.

A disputa

A corrida eleitoral da França foi tudo, menos tediosa. Ao longo dos últimos meses, o mundo observou reviravoltas que culminaram com a derrota do establishment político francês e da consolidação de novas lideranças, ainda que de orientações opostas.

Enquanto Macron é um defensor da União Europeia (UE), Le Pen defendia a revisão da filiação da França ao bloco. Esse é apenas um exemplo do quão díspares eram as visões dos dois candidatos que chegaram à reta final da disputa.

Ficaram para trás François Fillon (Os Republicanos), que registrou 20% dos votos durante o 1º turno, Jean-Luc Mélenchon (França Insubmissa), com 19,58%, e Benoît Hamon (Partido Socialista), com 6,3% da preferência dos eleitores.

Próximos desafios

Macron vence, mas irá encarar um importante desafio com as eleições legislativas marcadas para mês que vem.

Não será fácil: segundo o Deutsche Bank, em relatório sobre o cenário político da França, ainda que desde 2002 todos os presidentes eleitos tenham conseguido a maioria no parlamento, esse é um feito inédito para um partido novo, como do centrista.

Há um outro obstáculo relevante ainda no horizonte das eleições parlamentares e que é representado justamente por Le Pen e sua Frente Nacional.

O partido obteve um número nada desprezível de votos (33%), o dobro do obtido nas eleições de 2002, mostrando que perdeu a batalha, mas está pronto para seguir em frente como oposição.

O centrista irá encarar problemas complexos no campo doméstico. Em sua agenda econômica, pretende fazer reformas no mercado de trabalho, sistema tributário e previdenciário, de olho em melhorar o crescimento econômico do país, aumentar a competitividade e derrotar os altos índices de desemprego. Para tanto, o apoio parlamentar será fundamental.

Já do ponto de vista da política externa, a vitória de Macron foi bem recebida por líderes de diferentes países e especialmente pela UE. A expectativa é que o novo presidente francês se concentre em reforçar as relações com a Alemanha e que seja duro nas negociações do Brexit.