Donald Trump sobe nas pesquisas e preocupa republicanos

Republicanos temem que o milinário lançe uma candidatura independente e tire votos do partido na eleição presidencial de 2012

Nova York – O milionário americano Donald Trump prossegue subindo nas pesquisas como eventual adversario do presidente Barack Obama nas eleições de 2012, e pode até se lançar como candidato independente, se não for escolhido para representar o Partido Republicano.

“Acho que os republicanos estão muito preocupados com a possiblidade de que eu me apresente como independente”, disse Trump ao Wall Street Journal.

Dono de uma fortuna estimada em 2,7 bilhões de dólares, o magnata de 64 anos parece estar conquistando cada vez mais eleitores.

De acordo com uma pesquisa da rede CNN divulgada na terça-feira, Trump tem 19% das preferências dos republicanos para as primárias presidenciais, empatado com o favorito Mike Huckabee.

Os outros potenciais candidatos do partido aparecem bem atrás, segundo a mesma pesquisa, incluindo a ex-governadora do Alasca Sarah Palin (12%), o governador de Massachusetts Mitt Romney (11%) e o ex-líder da câmara dos Representantes Newt Gingrich (11%).

O mundo de Donald é simples e unipolar, um mundo no qual os Estados Unidos impõem seus pontos de vista como nos bons tempos de Ronald Reagan – memória que cativa muitos eleitores, preocupados com a situação de crise da superpotência.

“O que os preocupa é que seu não vencer (as primárias republicanas), posso me candidatar como independente, e acho que a resposta provavelmente será sim”, indicou Trump.

“E eu gosto de ganhar”, acrescentou.

Para conseguir seu objetivo, o magnata declarou-se disposto a investir 600 milhões de dólares de seu próprio bolso para dar início à campanha, além das contribuições que pedirá a doadores. Sua meta é obter um bilhão de dólares para a candidatura.

“Se eu for candidato, definitivamente vou arrecadar fundos”, afirmou, em uma entrevista publicada nesta quarta-feira pelo jornal USA Today. “Acho que é importante que os eleitores invistam na condução do país”.