Dois palestinos morrem durante protestos no Dia da Ira

O Ministério palestino de Saúde também informou sobre 60 feridos, todos eles por munição real

Jerusalém – Dois palestinos morreram e outros vários ficaram feridos nesta sexta-feira durante os protestos ocorridos na Cisjordânia e Jerusalém Leste em confrontos por conta da decisão de Donald Trump de reconhecer a Cidade Sagrada como capital de Israel.

O porta-voz do Ministério palestino de Saúde, Ashraf al Qedra, confirmou as duas mortes entre os manifestantes e informou sobre 60 feridos, todos eles por munição real, a maioria com ferimentos na parte inferior do corpo.

Um dos mortos foi identificado como Mahmoud al Masri, de 30 anos e da cidade de Khan Yunis, que morreu após ser atingido por tiros realizados desde Israel.

Centenas de jovens do enclave se dirigiram hoje às fronteiras para enfrentar os soldados após a reza do meio-dia, quando os alto-falantes das mesquitas pediram à população que tome as ruas e se manifeste em apoio a Jerusalém.

Na Cisjordânia e Jerusalém, segundo dados do serviço de emergências Crescente Vermelho (equivalente à Cruz Vermelha), mais de 200 pessoas tiveram que ser atendidas em diferentes pontos da Cisjordânia: 45 delas com feridas por balas, três por golpes e 162 que foram atendidas após inalar gases lacrimogêneos.

O Exército israelense confirmou enfrentamentos em seis pontos da fronteira com Gaza e em múltiplas localidades na Cisjordânia.

“Surgiram protestos violentos em 30 locais ao longo de Judeia e Samaria (Cisjordânia) e da Faixa de Gaza”, confirmou o Exército em comunicado no qual precisou que na Cisjordânia cerca de 3 mil pessoas se manifestaram violentamente, queimando pneus, lançando bombas incendiárias e pedras contra as forças de segurança.

Em Ramala, mil pessoas se reuniram no centro da cidade e centenas marcharam depois para o posto militar no norte, onde enfrentaram os soldados.

O xeque Hassam Yousef, líder do movimento islamita Hamas na Cisjordânia, disse à Agência Efe durante o protesto que “a Sexta-feira da Ira é uma resposta a Trump. Marchamos para frear qualquer violação da ocupação contra o nosso povo e os nossos lugares sagrados”.

Outro líder do movimento, o xeque Jamal Al Tawil, anunciou que “foi aberta a batalha contra os sionistas”.

Na quarta-feira, Trump declarou Jerusalém como capital de Israel, contradizendo décadas de consenso internacional e a posição histórica dos EUA, o que levou os palestinos a rejeitar Washington como mediador em qualquer processo de paz e a convocar para hoje um Dia da Ira.

Em diferentes países árabes e islâmicos ocorreram protestos contra a decisão do presidente americano.