Ditador argentino Bignone sofre sexta condenação

Tribunal federal pronunciou a sexta condenação contra o ex-ditador argentino Reynaldo Bignone, a 23 anos de prisão

Buenos Aires – Um tribunal federal pronunciou nesta terça-feira a sexta condenação contra o ex-ditador argentino Reynaldo Bignone, a 23 anos de prisão, por graves violações dos direitos humanos entre 1976 e 1983, informou o Palácio da Justiça.

Bignone, 86 anos e que cumpre pena em uma penitenciária, é o último dos chefes da ditadura militar com vida, após o falecimento, em 2013, do general Jorge Videla.

A nova condenação foi “por crimes cometidos contra 60 vítimas, todos trabalhadores”, segundo o Centro de Informação Judicial (CIJ).

Bignone já foi condenado duas vezes à prisão perpétua e a penas de 25 anos, 23 e 15 anos de detenção, por assassinatos, desaparições forçadas, tortura e roubo de bebês durante a ditadura.

O general Bignone assumiu a presidência em julho de 1982, após a queda do general Leopoldo Galtieri devido à derrota da Argentina para a Grã-Bretanha na Guerra das Malvinas, e entregou o poder em dezembro de 1983, ao presidente eleito Raúl Alfonsín.

Segundo organismos de defesa dos direitos humanos, cerca de 30 mil pessoas desapareceram durante o regime militar na Argentina.