Diplomatas paraguaios são obrigados a deixar Venezuela

"Nós não recebemos até agora um aviso por escrito, e nós os solicitamos conforme as regras internacionais", indicou Estigarribia

Assunção – O governo paraguaio anunciou nesta quarta-feira que a Venezuela havia exigido a saída de seus diplomatas de Caracas em um prazo de 72 horas, em meio a uma disputa diplomática causada pela destituição do ex-presidente paraguaio Fernando Lugo em junho.

“Foi avisado verbalmente (na terça-feira ao pessoal da embaixada) que o prazo para deixar o país é de 72 horas”, anunciou à imprensa o ministro paraguaio das Relações Exteriores, Jose Felix Fernandez Estigarribia.

“Nós não recebemos até agora um aviso por escrito, e nós os solicitamos conforme as regras internacionais”, indicou Estigarribia.

“É um prazo muito curto, mas é a decisão tomada pelo governo da Venezuela”, acrescentou o ministro, ironizando o fato de que “pode-se esperar de tudo por parte de um governo imprevisível”.

A Venezuela, que não reconhece a legitimidade do presidente paraguaio, Federico Franco, já havia retirado seus representantes diplomáticos de Assunção em junho, pouco depois da destituição de Lugo, um aliado do chefe de Estado venezuelano, Hugo Chavez.

Fernando Lugo, que havia acabado em 2008 com seis décadas de hegemonia da direita, foi retirado do poder no dia 22 de junho ao término de um processo político de algumas horas no Congresso e substituído por seu vice-presidente, o liberal Federico Franco.

Pouco depois da destituição, Unasul e Mercosul decidiram suspender o Paraguai.

Assunção possui três diplomatas em Caracas.