Diplomatas dos EUA começam a deixar Moscou após decisão de Putin

O presidente russo ordenou que os EUA reduzam em 60% seu pessoal diplomático no país em resposta a sanções impostas pelo Congresso americano

Moscou – Os Estados Unidos começaram a retirar móveis e equipamentos de uma propriedade diplomática em Moscou nesta terça-feira, no primeiro sinal de cumprimento de uma ordem do Kremlin para que Washington diminua sua presença na Rússia como retaliação a novas sanções dos EUA contra Moscou.

O presidente russo, Vladimir Putin, ordenou que os EUA reduzam em cerca de 60 por cento seu pessoal diplomático na Rússia até 1º de setembro, e disse que Moscou irá apreender duas propriedades diplomáticas em reação às sanções aprovadas pelo Congresso norte-americano na semana passada.

A Casa Branca disse que o presidente Donald Trump irá assinar o projeto de lei das sanções, concebidas como uma resposta à suposta interferência russa na eleição presidencial norte-americana de 2016 e como uma punição adicional a Moscou por ter anexado a Crimeia, que pertencia à Ucrânia, em 2014.

Nesta terça-feira, uma equipe de mudança começou a desmontar equipamentos de entretenimento e churrasco de uma dacha (casa de campo) de propriedade dos EUA nos arredores de Moscou depois de ser impedida de ter acesso ao local no dia anterior, de acordo com um jornalista da Reuters presente.

A dacha, que está sendo confiscada juntamente com um armazém dos EUA no sul da capital russa, era usada por diplomatas norte-americanos nos finais de semana e para dar festas para estudantes, jornalistas e outros diplomatas.

A equipe de mudança disse ter chegado perto das 7h locais e foi vista colocando móveis, inclusive camas e luminárias, em três caminhonetes brancas de mudança e deixando a propriedade três horas depois.

O vice-ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Ryabkov, disse que os funcionários norte-americanos tinham que entregar a dacha e o armazém até o meio-dia desta terça-feira, relatou a agência de notícias Tass. Segundo Ryabkov e o Kremlin, ninguém impediu que os funcionários norte-americanos tivessem acesso à propriedade.

Putin afirmou no domingo que a Rússia ordenou que os EUA cortem 755 de seus 1.200 funcionários diplomáticos em suas operações na embaixada em Moscou e em consulados, embora muitos destes sejam cidadãos russos e permitindo que os EUA escolham quem cortar.

O ultimato dado pelo líder russo é uma demonstração aos eleitores de seu país de que ele está preparado para enfrentar Washington, mas também é calibrado cuidadosamente para evitar afetar diretamente os investimentos norte-americanos de que precisa ou arruinar sua relação com Trump.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Os Estados Unidos estão tentando fazer na Rússia o mesmo golpe que fizeram no Brasil. Fazem as sanções, difamam que Putin é milionário e depois o acusam de corrupção. Alexei Navalny é o principal agente desse projeto dos Estados Unidos na Rússia.

  2. Dizem que a classe rica dos Estados Unidos é que pressiona o Congresso e Senado dos Estados Unidos no sentido de colocar sanções na Rússia para defender seus interesses econômicos. É apenas estratégia dos Estados Unidos para dividir a força contra as sanções dos Estados Unidos e também apagar o rosto dos políticos dos Estados Unidos.

  3. O Brasil já sofre os efeitos do Golpe dos Estados Unidos no Brasil em 2016. Precisamos nos unir aos países que estão do outro lado do bloco porque hoje são os pobres e os pobres de amanhà pode ser você.

  4. Outro opositor de Putin é de origem milionária e age no exterior. Kordovksy, Korlovsky, uma coisa assim. De origem rica quer a todo custo fazer da Rússia um país com classes sociais. Bonito, não muda a expressão do rosto, se mantém calmo em qualquer situação. É um homem muito estranho de se ver. Vi uma foto dele conversando com um senhor magro e sofrido. A expressão do rosto do opositor de Putin é apenas de interesse em ouvir o que o senhor fala não se interessando pela situação ruim em em que o homem estava. Kordovsky, um homem estranho.

  5. Existiu em São Paulo no final dos anos de 1980 um movimento chamado “Reage São Paulo”. A finalidade deste movimento era levar os cidadãos paulistanos a reagirem aos assaltos que estavam em grande quantidade na cidade. Eu não sei o que aconteceu com esse movimento mas penso que não é uma boa ideia reagir a assaltos. Roubos, assaltos, sequestros, a gente tem que aprender a resolver de outro jeito.
    No caso das novas e velhas sanções contra a Rússia é aconselhável que a Rússia reaja. Por isso exporto o movimento paulistano pra Rússia:
    _ REAGE RÚSSIA!