Dinamarquesas vão às ruas pelo direito de muçulmanas

Lei que afeta somente as muçulmanas residentes no país tem incomodado as mulheres que enxergam nela uma violação da livre escolha

Mulheres da Dinamarca vão às ruas nesta quarta-feira para protestar contra uma lei que proíbe o uso de burcas no país. Em maio deste ano, o Parlamento dinamarquês aprovou uma lei em que proíbe o véu integral em locais públicos, e que passará a valer a partir de hoje. Segundo a maioria do Parlamento, o uso de véus é incompatível com os “valores da sociedade dinamarquesa”, e um desrespeito à comunidade do país. Por isso, as mulheres que não obedecerem à proibição receberão multas entre 598 e 5.800 reais (entre 1.000 e 10.000 coroas dinamarquesas), e serão encaminhadas às suas casas.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A lei, que afeta somente as muçulmanas residentes no país, tem incomodado as mulheres que enxergam nela uma violação da livre escolha e à própria religião islâmica. Foi deste incômodo que surgiu o grupo Kvinder I Dialog (Mulheres em Diálogo) — composto por muçulmanas que utilizam véus, que não utilizam, e também por não muçulmanas — que defende o direito de a mulher expressar sua identidade como quiser. Foi deste grupo que surgiram as manifestações de hoje.

Não é a primeira vez que um país europeu tenta decidir sobre os hábitos da religião islâmica. França, Bélgica, Holanda, Bulgária e o estado alemão da Baviera já impuseram algum tipo de restrição ao uso de véus por mulheres islâmicas.

Na França, por exemplo, o uso de véu integral é proibido desde 2011, e uma multa de 150 euros pode ser aplicada para aquelas que desrespeitarem o veto. Embora esta proibição tenha sido aprovada e colocada em vigor, uma vitória ao hábito religioso foi registrada em 2015. O uso dos burquinis (trajes de banho para mulheres que desejam cobrir seu corpo) foi proibido pelo governo francês, mas recursos judiciais e uma série de protestos fizeram com que a Corte francesa revogasse a lei, e permitisse seu uso no país.

Na Dinamarca, está em jogo a conquista do poder por parte dos conservadores dinamarqueses. O Partido do Povo dinamarquês se tornou o segundo maior partido no país, e faz parte do governo desde 2015. O partido, que valoriza o “valor do povo dinamarquês”, já propôs, entre outras coisas, o ensino desses valores a crianças que moram em áreas marginalizadas, conhecidas como guetos.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Pedro Evandro Montini

    Brevemente, todas as dinamarquesas serão obrigadas a usarem véu. Questão de tempo.

  2. Isaac Trindade

    Não creio que esse seja um movimento “das mulheres” dinamarquesas, mas sim de um pequeno grupo, financiado e apoiado pela esquerda. O europeu está ciente do mal que representa a ascensão da população islamica num pais. É só essa esquerda socialista podre cair, que as coisas voltarão ao normal.

  3. João Vicente Fogaça Viggiani

    Quando a Europa estiver totalmente dominada pelo Islã, as mulheres que hoje lutam pela “liberdade de escolha das muçulmanas” não terão essa mesma simpatia. Todas serão obrigadas a usar burkas e a se converterem, como é hoje nos países islâmicos. Quem resistir será apedrejada. Esperem 2050 e verão!