Diferença de competitividade gera inflação, diz Trichet

Presidente do BCE disse que políticas macroeconômicas que mostrem as diferenças dos membros da UE pode elevar taxas inflacionárias

Paris – O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, reiterou o pedido da instituição por um aumento significativo na governança econômica, na supervisão da competitividade e na convergência dentro da zona do euro. Trichet alertou que o fracasso em fazer isso provocará mais inflação.

“Políticas macroeconômicas nacionais inadequadas podem gerar excessivas diferenças de competitividade entre os membros da União europeia”, disse Trichet, em um evento no Instituto da França, em Paris. “O primeiro sintoma dessas diferenças é, em geral, a acumulação de divergências em termos de preços e custos e isso gera taxas de inflação que se mantêm sustentáveis acima da definição de estabilidade de preços da zona do euro”, acrescentou.

Trichet afirmou que a definição de estabilidade de preços – taxa de inflação pouco abaixo de 2% – está “solidamente ancorada” nas expectativas de inflação. Segundo Trichet, é natural que as taxas de inflação variem entre os países e diferenças temporárias não são necessariamente uma fonte de preocupação. “Mas diferenças de inflação podem e devem ser uma preocupação quando se tornam grandes e persistentes”, observou.

Trichet reiterou a posição do BCE de que as propostas de sanções e monitoração da competitividade pela Comissão Europeia são suficientes para a União Europeia, mas não para a zona do euro. As sanções deveriam ser aplicadas mais rapidamente e mais automaticamente, na opinião de Trichet. As informações são da Dow Jones.