Dia sem imigrantes; Snap modesta…

Dia sem imigrantes

A vida imitou a arte: fazendo lembrar a história fictícia do filme Um dia sem mexicanos, de 2004, restaurantes e outros prestados de serviços fecharam suas portas nos Estados Unidos nesta quinta-feira, por conta dos protestos da campanha “Dia Sem Imigrante”. O movimento convocou estrangeiros a não comparecerem ao trabalho ou a escola, como forma de mostrar a importância dessa mão-de-obra após o presidente americano Donald Trump impor um decreto proibindo a entrada de imigrantes de sete países. Também nesta quinta-feira, o Departamento de Justiça informou que o presidente vai substituir o decreto “num futuro próximo”, ao invés de seguir lutando nos tribunais por sua implementação — atualmente, a ordem está suspensa, enquanto a Justiça tenta decidir sobre sua legalidade.

Não teve Rússia

Em entrevista coletiva, Donald Trump se defendeu das acusações de que sua equipe teve contato com membros do governo russo durante a campanha para auxiliar no vazamento de e-mails confidenciais do Partido Democrata. “Os vazamentos são reais. Mas as notícias são falsas”, disse. Ele também afirmou não acreditar que o presidente russo Vladimir Putin esteja tentando tirá-lo do poder. Na terça-feira, o ex-assessor de Segurança Nacional, Michael Flynn, renunciou ao cargo após acusações de ter se encontrado com um diplomata russo antes mesmo da eleição de Trump.

Brasil em ação?

O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, disse que o Brasil deve liderar as negociações para por fim à crise venezuelana, que enfrenta forte crise econômica e divergências entre o governo de Nicolás Maduro e a oposição. Tillerson transmitiu o recado ao chanceler brasileiro, José Serra, em um encontro de representantes dos países do G20 na Alemanha. Segundo o brasileiro, “foi uma ótima conversa”. Os dois também discutiram investimentos americanos no setor de petróleo brasileiro — antes de entrar para o governo, Tillerson era presidente da petroleira ExxonMobil.

Tillerson e Lavrov

Na mesma reunião, Tillerson se encontrou pela primeira vez com o chanceler russo, Sergei Lavrov, e pediu que os russos “honrem seus compromissos” e “ajam para reduzir a violência na Ucrânia”, fazendo referência a uma guerra civil que já deixou 9.000 mortos na Crimeia, ex-território ucraniano anexado pelos russos em 2014. Tillerson disse que os EUA vão tentar “encontrar possibilidades de cooperação”, embora sem mencionar um possível fim das sanções impostas à Rússia no governo do presidente Barack Obama, após suspeitas de espionagem russa nas eleições americanas.

Pró-Palestina?

A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, afirmou nesta quinta-feira que os americanos apoiam, sim, a existência do Estado Palestino. “Nós apoiamos completamente a solução de dois Estados, mas estamos pensando fora da caixa também”, disse. A declaração vem após Trump se encontrar com o premiê israelense Benjamin Netanyahu na quarta-feira e declarar que vê “tanto um estado quanto dois estados”, deixando obscura a posição americana na questão.

Irmão de Kim: mais presos

A polícia da Malásia prendeu mais dois suspeitos de participarem do assassinato de Kim Jong-nam, meio-irmão do ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un. Um deles é um cidadão da Malásia e o outro, uma mulher com passaporte da Indonésia. Na quarta-feira, uma vietnamita já havia sido presa. Kim Jong-nam, que já havia criticado o regime norte-coreano no passado, teria sido assassinado com agulhas envenenadas. O vice-premiê da Malásia, Ahmad Zahid Hamidi, disse que, por ora, as suspeitas de envolvimento do governo da Coreia do Norte são “especulação”.

Snap modesta

A Snap, dona do aplicativo de compartilhamento de imagens Snapchat, divulgou os valores de sua oferta pública de ações. Os preços são menores do que o esperado: enquanto as apostas do mercado eram de um valor entre 20 e 25 bilhões de dólares, a empresa abaixou o esperado para entre 19,5 e 22,3 bilhões. Duzentas milhões de ações serão ofertadas na bolsa.