Desemprego é recorde na Alemanha

Mais de 5 milhões de alemães não trabalham, levando taxa de desemprego para 12,1%, 1,3 ponto percentual superior à de dezembro

O desemprego na Alemanha atingiu o maior nível desde a Segunda Guerra Mundial. Em janeiro, 573 mil novos casos de trabalhadores sem emprego elevaram o contingente total para 5,037 milhões. Com isso, a taxa de desemprego saltou de 10,8% em dezembro para 12,1%.

O ministro alemão de Economia e Trabalho, Wolfgang Clement, já havia advertido que as estatísticas seriam inchadas em janeiro. Um novo sistema em vigor desde o primeiro dia do ano obriga beneficiários de programas sociais em idade ativa a se registrarem como desempregados. As mudanças visam aumentar a pressão psicológica para que os pensionistas busquem ocupação, explica reportagem desta quarta-feira (2/2) do americano The Wall Street Journal.

O recorde anterior havia sido em janeiro de 1998, quando 4,824 milhões de alemães estavam sem emprego. Em termos proporcionais, a taxa verificada há sete anos, de 12,6%, ainda é a maior dos últimos 60 anos.

Para o primeiro-ministro Gerhard Schroeder, os números divulgados hoje representam um sério desafio político, inviabilizando sua promessa de baixar o número de desempregados para 3,5 milhões. No Brasil, apesar de melhoras, o mercado de trabalho ainda não permite o cumprimento da promessa eleitoral do governo petista, de geração de 10 milhões de empregos em quatro anos.