Delegação afegã viaja a Dubai para dialogar com Taliban

Delegação deverá se reunir com antigos e atuais dirigentes do Taleban, na esperança de estabelecer bases para negociações de paz

Cabul – Uma delegação do Alto Conselho da Paz do Afeganistão viajou para Dubai para se reunir com antigos e atuais dirigentes do Taleban, na esperança de estabelecer as bases para negociações de paz que encerrem o longo conflito no país, disseram à Reuters fontes familiares com a iniciativa.

A delegação governamental, liderada por Mohammad Masoom Stanekzai, um assessor graduado do presidente afegão, Hamid Karzai, viajou no domingo para os Emirados Árabes Unidos, confirmaram membros do Alto Conselho da Paz e do governo afegão.

Eles planejam se reunir com um grupo de representantes do Taleban, liderado por Agha Jan Mutassim, que foi ministro das Finanças durante o governo do Taleban, de 1996-2001, disseram funcionários sob a condição de anonimato.

A viagem ocorre na esteira de um encontro realizado recentemente por Mutassim em Dubai, que reuniu, segundo um funcionário afegão, 16 antigos e atuais dirigentes do alto escalão do Taleban, incluindo seis ex-ministros e meia dúzia de homens que seriam atualmente comandantes da ala militar do grupo.

Depois daquela reunião, Mutassim, que chegou a ser uma figura poderosa no comitê político do Taleban, mas cuja ligação com o grupo atualmente não está clara, disse em um comunicado que os participantes tinham “insistido por unanimidade numa discussão entre todos os afegãos e na necessidade de encontrar uma solução pacífica”.

Embora a delegação do conselho tenha viajado para Dubai porque figuras do Taleban indicaram sua disposição de se encontrar com representantes do governo afegão – uma iniciativa incomum da parte de qualquer membro do Taleban -, não ficou claro se todos os participantes se manteriam firmes até o fim, disseram funcionários.

Se o conselho estabelecer conversações com representantes do Taleban seria um passo adiante nos esforços do governo Karzai para manter diálogo com membros importantes da insurgência que dura mais de 12 anos.

Seria também uma afirmação para Karzai, que há muito tempo está insatisfeito com a posição do Taleban de conversar somente com o Ocidente ou autoridades árabes, num momento em que ele se prepara para deixar o cargo após as eleições de abril.

Há anos a liderança do Taleban na clandestinidade – que se acredita esteja no Paquistão, sob o comando do mulá Mommmed Omar – se recusa a negociar diretamente com o governo de Karzai, que o Taleban considera ser um líder ilegítimo.

O governo Karzai mantém negociações informais com o Taleban desde 2001, mas nos últimos meses parece ter renovado seus esforços para estabelecer um diálogo substancial com importantes representantes dos militantes.