David Cameron promete cumprir com mais autonomia à Escócia

O premiê do Reino Unido disse que cumprirá com a transferência de mais poderes à Escócia em matéria fiscal e do estado de bem-estar

Londres – O primeiro-ministro do Reino Unido, o conservador David Cameron, garantiu nesta sexta-feira que cumprirá em sua “totalidade” a promessa de entregar mais autonomia à Escócia após o referendo sobre a independência realizado ontem.

Em declaração perante a residência oficial de Downing Street, Cameron disse que os partidos britânicos cumprirão com a transferência de mais poderes à Escócia em matéria fiscal e do estado de bem-estar e confiou em contar já no próximo mês de janeiro com a legislação correspondente.

O primeiro-ministro britânico também expressou sua satisfação pela decisão do povo escocês de manter juntas as “quatro nações”, após a vitória do “não” no referendo.

Cameron comentou que o “resultado foi claro” e é uma “oportunidade” de mudar a forma como o país é governado.

“Agora é o momento de nosso Reino Unido se unir e seguir adiante. Uma parte vital disso é um acordo equilibrado, justo para a população da Escócia e, o que é importante, para todos na Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte também”, acrescentou.

O primeiro-ministro defendeu sua decisão de aceitar a realização da consulta uma vez que o Partido Nacionalista Escocês (SNP), de Alex Salmond, tinha obtido uma expressiva vitória nas urnas nas eleições escocesas de 2011.

Cameron disse que não podia bloquear a convocação desse referendo porque é um “democrata” e era “correto respeitar” a vontade da população da Escócia.

O primeiro-ministro britânico considerou que, da mesma forma que a Escócia terá mais poderes, as outras três nações que formam o Reino Unido também deverão ter “voz” sobre suas competências.

“Os direitos destes eleitores devem ser respeitados, preservados e aumentados. É totalmente correto que um novo e justo acordo com a Escócia esteja acompanhado por um novo e justo acordo que se aplique a todas as partes de nosso Reino Unido”, disse.

Dessa maneira, Cameron explicou que há propostas para que a Assembleia de Gales tenha mais poderes e considerou que será preciso trabalhar para que as instituições norte-irlandesas funcionem de “maneira efetiva”.

“Escutamos a voz da Escócia e agora milhões de vozes na Inglaterra também devem ser escutadas”, comentou.

Para isso, ressaltou Cameron perante a porta de Downing Street, pediu ao ex-ministro de Relações Exteriores William Hague que elabore planos para que estes poderes sejam considerados.

Cameron também admitiu que teria ficado com o “coração partido” se tivesse acontecido uma partilha do Reino Unido.

“E sei que este sentimento é partilhado pelas pessoas, não só de nosso país, mas também do mundo, pelo que conseguimos no passado e pelo que podemos fazer no futuro”, opinou.

Os unionistas somam até agora um respaldo de 55%, segundo os resultados de 29 dos 32 distritos apurados. EFE