Curdos sírios entram no Iraque para lutar contra EI

Centenas de combatentes curdos sírios cruzaram a fronteira com o Iraque para conter o avanço do grupo jihadista Estado Islâmico

Beirute – Centenas de combatentes curdos sírios cruzaram nos últimos dias a fronteira com o Iraque para conter o avanço do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), disse nesta segunda-feira à agência Efe um porta-voz da milícia Unidades de Proteção do Povo Curdo, Aras Xani.

Xani explicou pela internet que membros dessa força curdo-síria foram para as cidades iraquianas de Rabia e Sinyar para impedir que os extremistas continuem a avançar rumo a fronteira com a Síria.

“Até duas horas atrás houve choques intensos em Rabia, onde nossos homens conseguiram tomar o controle de alguns pontos estratégicos”, disse o porta-voz.

Xani acrescentou que os milicianos das Unidades de Proteção do Povo Curdo entraram no Iraque através do posto de Yarbia/Rabia, o único entre a província síria de Al Hasaka, onde vive grande parte da minoria curda, e a iraquiana de Ninawa.

A parte síria da fronteira, Yarbia, é controlada pelas Unidades de Proteção do Povo Curdo.

Segundo a fonte, os curdos sírios intervieram após a fuga dos “peshmerga”, forças de segurança curdo-iraquianas, de Rabia e Sinyar, apesar de terem um acordo com eles para defender essas zonas dos ataques dos radicais.

O primeiro-ministro do Iraque, Nouri al-Maliki, ordenou hoje, na qualidade de comandante-em-chefe do exército, o apoio aéreo às forças curdas na luta contra os jihadistas e outros grupos insurgentes sunitas.

O EI anunciou ontem que tinha chegado ao triângulo fronteiriço entre Iraque, Síria e Turquia, e que as batalhas continuavam nos arredores de Mossul, a segunda cidade iraquiana, tomada por eles em 10 de junho.

O EI proclamou um “califado islâmico” formado por parte de território sírio e iraquiano no final de junho após dominar áreas nos dois países.