Curdistão iraquiano mandará 200 peshmergas a Kobane

O governo do Curdistão iraquiano mandará 200 membros de suas forças armadas à cidade síria de Kobane, para enfrentar o Estado Islâmico

Istambul – O governo do Curdistão iraquiano mandará 200 membros de suas forças armadas, conhecidos como peshmergas, a Kobane, cidade curdo-síria assediada há mais de um mês pelo grupo Estado Islâmico (EI).

O grupo será equipado com armamento pesado e entrará no local através da Turquia, explicou nesta quarta-feira o deputado curdo-iraquiano Aydin Marouf, membro da Frente Turcomana do Iraque, que participou da sessão fechada do parlamento do Curdistão em Erbil, onde foi tomada a decisão do envio.

É a primeira vez desde 1960 que tropas iraquianas farão uma missão fora do país. Segundo Marouf, o envio ocorre “por pedido do (presidente do Curdistão iraquiano Massoud) Barzani e com apoio da Turquia”.

As tropas entrarão na Turquia pela fronteira comum entre as duas regiões e viajarão pelas províncias turcas no sul até chegar a Suruç, a cidade localizada à frente de Kobane.

Marouf destacou que os curdos da Síria têm pedido, principalmente, mais armas pesadas.

A única via de acesso a Kobane, rodeada há mais de um mês pelos radicais, é a fronteira turca, onde o governo local impôs uma série de barreiras que só permitem a passagem de ambulâncias e, ocasionalmente, a entrada de ajuda humanitária ou refugiados da cidade que desejam voltar.

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, confirmou ontem oficialmente a permissão dada aos peshmergas, mas acrescentou que o envio das tropas não tinha se concretizado porque as negociações ainda estavam em andamento.