Cuba aplica penas de até 30 anos por intoxicação com metanol

Tribunal condenou a penas de até 30 anos de prisão 13 envolvidos no roubo e venda de metanol que, há um ano, provocou a intoxicação de uma centena de pessoas

Havana – Um tribunal cubano condenou a penas de até 30 anos de prisão 13 envolvidos no roubo e venda de metanol, que, há um ano, provocou a intoxicação de uma centena de pessoas, das quais 11 morreram, informou nesta quarta-feira o jornal oficial Granma.

Cerca de 60 litros de álcool metílico foram roubados em julho de 2013 do Instituto de Farmácia e Alimentos (IFAL) da Universidade de Havana por dois vigilantes.

O produto do roubo foi entregue a pessoas que o venderam em um bairro da capital como se fosse rum.

Os altos preços das bebidas alcoólicas levam muitos cubanos a adquirir estes produtos no mercado negro.

Dois vigias do IFAL, Ramón Hernández Argudín e Augusto César Valdés Alonso, que roubaram o metanol que deveriam proteger, foram condenados a 30 e 27 anos de prisão, respectivamente, sob acusações de roubo, homicídio por imprudência e lesões graves, disse o Granma.

Os dois também deverão indenizar as vítimas e reparar os danos materiais causados ao IFAL, acrescentou o jornal.

Um terceiro vigia com participação menor, Abelardo Santos Rivero, foi condenado a seis anos de prisão.

Outras 10 pessoas foram condenadas a penas de entre seis meses e cinco anos de prisão por receptação de mercadorias roubadas e acobertamento, por ter revendido o álcool metílico.

O reitor do IFAL foi demitido do sistema universitário, enquanto outros três funcionários foram afastados de suas funções por “descontrole evidente e pelo descumprimento das funções inerentes ao seus cargos”, indicou o Granma.

Entre 29 de julho e 2 de agosto de 2013, 99 pessoas ficaram intoxicadas pelo consumo de álcool metílico, que havia sido adquirido no mercado negro.