Cuba planeja criar áreas públicas de wi-fi

Serviço de acesso à internet em salas de navegação em Cuba será ampliado em 2015, segundo fontes oficiais

Havana – Cuba ampliará em 2015 o serviço de acesso à internet em salas de navegação e projeta criar áreas públicas de wi-fi, como parte de sua política de facilitar a conexão coletiva à rede, informaram neste sábado fontes oficiais.

Funcionários da estatal Empresa de Telecomunicação de Cuba (ETECSA) afirmaram que a estratégia será ‘potencializar os pontos de acesso coletivo’ que já somam 154 salas em todo o país, depois que em 2013 esse serviço foi inaugurado em 118 locações.

Em declarações publicadas hoje pelo jornal oficial ‘Juventud Rebelde’, diretores da companhia destacaram que se dará prioridade a ‘um número significativo’ de novas salas nos chamados ‘Jovem Clube de Computação’, e anunciaram ‘projetos’ para ‘a localização de áreas públicas para o acesso sem fio através da modalidade wi-fi’.

A ETECSA controla o setor das telecomunicações em Cuba, onde existem restrições para o acesso à internet de casas e celulares, e as tarifas de conexão pública são altas para a maioria da população.

Em março deste ano, a empresa lançou pela primeira vez um serviço de acesso ao e-mail em celulares através de uma conta local, que até novembro somou mais de 460.000 usuários.

Essas contas transbordaram as previsões e geraram erros na telefonia celular administrada pela ETECSA, que para 2015 prevê continuar ‘modernizando e ampliando as redes que sustentam o serviço’ de conectividade nos celulares, segundo o ‘Juventud Rebelde’.

A companhia anunciou que no próximo ano espera criar capacidades para crescer em 800.000 linhas de telefonia celular, o que aumentará para mais de três milhões o número total de usuários em Cuba, desde que em 2008 o governo de Raúl Castro eliminou a proibição para que os cubanos contratassem o serviço.

Quanto à possibilidade de conexão à internet de celulares e casas – esta última uma opção que só se permite a determinados profissionais como médicos, jornalistas ou artistas -, a empresa reiterou que ‘se trabalha no desdobramento dos investimentos necessários’ para garantir esses serviços e que seu crescimento seja ‘sustentável no tempo’.

‘Quando estas condições estejam criadas e o serviço esteja pronto para sua comercialização, se informará à população sobre a abertura dos mesmos’, ressaltou.

Por outro lado, a ETECSA informou que em fevereiro começou a operar um ‘moderno’ Centro de Dados Públicos com mais de 100 terabytes de capacidade, que multiplicou por seis o espaço de armazenamento existente na ilha.

Em 2015 essa capacidade deve incrementar-se em cinco vezes, enquanto se trabalha em um sistema nacional de Centros de Dados que assegure o acesso aos conteúdos de todo o país, indicou o diretor de Tecnologias da Informação da companhia, Ariel Bolaño.

Embora o Centro de Dados tenha priorizado o alojamento dos conteúdos das entidades estatais, dispõe de condições para oferecer seus serviços a pessoas e a ETECSA trabalha nas políticas para essa comercialização, acrescentou Bolaño. EFE