Cristina critica opositores por questionar ausências e saúde

A presidente argentina, Cristina Kirchner, criticou os meios de comunicação opositores por questionar ausência e seu estado de saúde

Buenos Aires – A presidente argentina, Cristina Kirchner, criticou os “meios de comunicação opositores” por questionar sua ausência da primeira linha política e seu estado de saúde, após a última visita que fez ao hospital, quando foi diagnosticada com “bursite” no quadril.

“Quase 21h30. Saio da Casa Rosada. Fotógrafos e várias câmeras. Inclusive, um na entrada do heliporto. Ah, já não sei, teriam mandado os fotógrafos porque esperavam me ver de muletas, pela bursite diagnosticada?”, escreveu Cristina ontem em sua conta no Twitter.

“What is this? Nada, uma inflamação que se trata com cinesiologia e um pouco de gelo. Mas eu aposto que amanhã veremos títulos catástrofes como “Cristina se reúne com funcionários do Governo. Há preocupação pela queda de reservas””, acrescentou.

A presidente se referiu ao títulos de certas informações publicadas em “meios de comunicação opositores” como “Clarín” e “La Nación”, elaborados com “contradições permanentes”.

Na rede social, a governante fez referência também aos dias em que passou com sua família na cidade sulina do Calafate durante o Natal, férias pelas quais também foi duramente criticada.

“Fui na sexta-feira 20/12 PARA MINHA CASA e voltei na segunda-feira 6/1. 4 dias úteis fora de Buenos Aires. O resto dos dirigentes políticos próprios e alheios são vistos em praias durante todo janeiro. Mas vejo que ninguém os critica”, ressaltou.

Além disso, a presidente reprovou a cobertura que alguns jornais realizaram da cúpula da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac), que se centraram nela e não nos temas que foram tratados.

“Cristina passa o fim de semana em Cuba. Que tal? Qualquer pessoa que não sabe do que se trata, pensa, o que ela está fazendo de férias em Cuba? Porque da CELAC… nada”, especificou.

Em seus últimos tweets, a presidente voltou a disparar contra os títulos de certos meios que definiu como “a construção da mentira diária, a contradição patética e a catástrofe permanente”.

“Ah. Se não colocarem o título que disse a princípio… Aposto neste outro “Duro ataque da CFK à imprensa” e como subtítulo “Fúria verbal através de sua conta no Twitter””, concluiu.