Criança e jovem de 18 anos são as vítimas de tiroteio no Canadá

O chefe da polícia de Toronto, que não identificou o atirador, disse que ele tinha 29 anos e que a polícia está fazendo buscas em sua residência

Toronto – A polícia de Toronto, no Canadá, disse nesta segunda-feira que as duas vítimas mortais do atirador que provocou pânico ontem à noite na cidade são uma menina de 10 anos de idade e uma jovem de 18.

O chefe da polícia de Toronto, Mark Saunders, que ofereceu uma entrevista coletiva, não identificou o autor dos disparos, que morreu após um enfrentamento com agentes policiais imediatamente depois do ataque.

A polícia afirmou que o responsável pelos disparos tinha 29 anos de idade e que está fazendo buscas em sua residência.

Saunders acrescentou que a idade dos feridos, cujo número chega a 12, oscila entre 10 e 59 anos de idade.

Por sua vez, a médica Najma Ahmed, do Hospital St. Michael de Toronto, no qual estão internados cinco dos feridos, informou que três deles “foram submetidos imediatamente a intervenções cirúrgicas para que suas vidas fossem salvas e permanecem em estado crítico”.

Saunders também informou que a investigação do incidente ocorrido na noite de domingo está agora dividida.

Por um lado, a polícia de Toronto se encarrega das investigações relacionadas com o ataque, enquanto a morte do autor dos disparos está sendo investigada pela Unidade de Investigações Especiais (SIU, na sigla em inglês), porque aconteceu após um enfrentamento com os policiais.

As leis de Ontário determinam que as investigações de mortes ou lesões graves produzidas durante um enfrentamento com policiais sejam realizadas pela SIU, que determinará se os agentes agiram de forma apropriada.

Embora a Polícia de Toronto tenha se negado a especular sobre as motivações do ataque, o fato de que a Polícia Montada do Canadá não esteja participando da investigação indica que, por enquanto, as autoridades não o consideram um atentado terrorista.

Toronto, a maior cidade do Canadá, está sofrendo nos últimos meses uma onda de violência e assassinatos que fez os alarmes dispararem entre as autoridades, sobretudo, pelo aumento do uso de armas de fogo.

Em abril, Alek Minassian, um indivíduo de 25 anos de idade, matou dez pessoas e causou ferimentos em outras 14, ao atropelar com um veículo dezenas de pedestres em uma das principais ruas da cidade.

Minassian, que foi capturado sem incidentes após o ataque, foi vinculado à subcultura misógina dos “incel”, um termo que significa “celibatário involuntário”, que consiste de homens que não conseguem ter relações sexuais e amorosas e culpam as mulheres e homens sexualmente ativos por isso.

Tanto no ataque de abril como no de ontem, a maioria das vítimas mortais eram mulheres.