Cresce o papel de avós como provedores familiares nos EUA

Mesmo nos Estados Unidos, tornou-se freqüente a ajuda financeira dos avós aos netos. Já são comuns as situações em que avós criam seus netos, seja porque os pais dessas crianças estão envolvidos com drogas, seja porque estão presos ou enfermos.

Mas, segundo reportagem do jornal The New York Times, o que está sendo menos percebido — e menos estudado –, é que mesmo nos casos em que os pais estão presentes e ativos, os avós continuam cumprindo papéis importantes na vida de seus netos, seja bancando os custos com mensalidades escolares ou financiando férias e tratamentos odontológicos.

“Há trinta ou quarenta anos, o fluxo de dinheiro era ‘para cima’: você ajudava seus avós, comprando isso ou aquilo, ou então eles iam morar com voc”, afirma ao New York Times Timothy Smeeding, professor de políticas públicas da Universidade de Syracuse.

“Mas agora, o dinheiro segue ‘para baixo’. Os mais idosos estão melhores do que imaginavam, com o boom do mercado de ações nos anos 90 e as mudanças na Seguridade Social”, diz Smeeding. “Ao mesmo tempo, seus filhos estão piores do que pensavam que estariam. Assim, seus pais os ajudam.”

Para Vern Bengtson, sociólogo e gerontologista da Universidade do Sul da Califórnia, o envolvimento crescente dos avós no sustento e estabilidade da família americana é uma mudança dramática que tem sido pouco notada pelos pesquisadores, mais focados nos fenômenos associados ao divórcio e às mães solteiras.