CPJ denuncia que 32 mulheres jornalistas estão presas no mundo todo

Países como Turquia, Israel, Síria , Egito e China disparam em número de casos; muitas mulheres foram condenadas a prisão perpétua

Nova York, 8 – O Comitê para a Proteção de Jornalistas (CPJ) denunciou nesta sexta-feira, Dia Internacional da Mulher, que 32 jornalistas estão presas no mundo todo por exercerem seu trabalho, a maioria delas na Turquia.

Dos 68 jornalistas detidos nesse país, 14 são mulheres e a maioria é acusada de crimes contra o Estado, como Hatice Duman, diretora do jornal “Atilim”, condenada à prisão perpétua acusada de ser membro de um partido proibido de ideologia marxista-leninista.

Acusações similares recaem sobre as jornalistas Ayse Nazli Ilicak, Hanim Büsra Erdal, Aysenur Parildak, entre outras.

A China é o segundo país com mais repórteres detidas, sete das quais seis enfrentam acusações contra o Estado e seus trabalhos são usados pelas autoridades chinesas como provas do crime de “provocar brigas e problemas”.

A jornalista especializada em direitos humanos Gulmire Imin cumpre pena de prisão perpétua por separatismo, vazamento de segredos de Estado e organização de manifestações ilegais.

A China também acusa de crimes parecidos Atikem Rozi, Wang Jing, Wang Shurong, Li Zhaoxiu, Ding Lingjie e Chimengul Awut.

Na Arábia Saudita, as jornalistas Eman al-Nafjan, Nouf Abdulaziz, Hatoon al-Fassi e Nassima al-Sadah foram por detidas criticarem a lei que proibia as mulheres de dirigir e continuam presas mesmo depois de a proibição ter sido eliminada, em junho do ano passado.

O Vietnã tem duas mulheres presas, Tran Thi Nga e Huynh Thuc Vy, por “fazer propaganda contra o Estado” e por “fazer pichações na bandeira do país”.

Em Israel, duas blogueiras palestinas – Lama Khater e Israa Lafi – estão detidas pelas forças armadas do país e, embora não tenham recebido acusações formais, ambas foram críticas tanto com Israel como com a autoridade palestina.

No Egito, duas fotojornalistas estão presas – Shorouk Amgad e Zeinab Abu Ouna – dentro do macro processo judicial conhecido como “caso 441”, no qual dúzias de pessoas são acusadas de divulgar notícias falsas e de serem membros de grupos proibidos, renovando quinzenalmente as permissões de detenção dos jornalistas.

Por último, na Síria está detida há quase uma década Tal al-Mallohi, uma blogueira que escrevia sobre direitos humanos e políticos e, embora um tribunal tenha ordenado sua libertação há cinco anos, ela continua presa por suspeitas de ser espiã dos Estados Unidos.