Corpos de medalhistas olímpicos chega a necrotério

Os dez corpos das vítimas do acidente com dois helicópteros na Argentina, incluindo três atletas franceses, chegaram nesta terça-feira ao necrotério de La Rioja

Villa Castelli – Os dez corpos das vítimas do acidente com dois helicópteros no noroeste da Argentina, incluindo três atletas franceses, chegaram nesta terça-feira ao necrotério de La Rioja, onde começarão a ser identificados após a tragédia que abalou a França.

Mais de 18 horas após a tragédia que custou a vida de oito franceses e dois pilotos argentinos, os helicópteros continuavam soltando fumaça.

O impacto entre as duas aeronaves aconteceu em pleno voo e baixa altitude ocorrido em Villa Castelli, remoto povoado da província de La Rioja, onde ocorriam as filmagens do programa de sobrevivência “Dropped”, para o canal francês TF1.

“Os corpos chegaram ao necrotério” da capital de La Rioja, depois de mais de três horas de viagem de estrada em cinco ambulâncias, confirmou o porta-voz do governo da região, Roberto Ludeña.

Na região onde ocorreu o acidente, na pré-cordilheira dos Andes, o clima era de consternação entre os moradores, acostumados a acompanhar produções e ao turismo estrangeiro.

A França lamentou as mortes da navegadora Florence Arthaud, da nadadora Camille Muffat e do boxeador Alexis Vastine, medalhistas nas Olimpíadas de Londres 2012 e Pequim 2008, respectivamente.

O cônsul-geral da França na Argentina, Raphaël Trannoy, desembarcou em La Rioja, junto com outros dois funcionários franceses.

O secretário de Segurança de La Rioja, Luis César Angulo, disse à AFP que os corpos “estão irreconhecíveis pela ação do fogo”.

A única coisa reconhecível no local do acidente era um amontoado de metais queimados. A área, cercada por arbustos, também estava coberta de cinzas – constatou a AFP.

Um dos helicópteros envolvidos no acidente “repentinamente se desviou de sua trajetória e se chocou contra o outro”, relatou Franck Firmin-Guion, presidente da produtora ALP, responsável pelas filmagens do programa.

Os dois pilotos argentinos também morreram na tragédia.

Da aventura à tragédia

Esta não foi a primeira vez em que morreram participantes de “reality shows” durante as filmagens de programas de sobrevivência, muito populares e que testam o limite físico e o lado psicológico dos participantes.

Na França, em 2013, o programa “Koh-Lanta”, que assim como o “Dropped” era produzido pela empresa ALP para o TF1, foi interrompido após a morte de um candidato, Gérald Babin, vítima de uma parada cardíaca durante as filmagens da 13º temporada. O médico do programa cometeu suicídio pouco depois.

Apesar da tragédia, o “Koh-Lanta” voltou a ser exibido ano passado.

Em maio de 2009, o candidato da versão búlgara do programa “Survivor” Noncho Vodenicharov, de 53 anos, sofreu uma parada cardíaca em uma ilha das Filipinas durante uma prova.

Nesse mesmo ano, na versão paquistanesa do “Survivor”, o candidato Saad Khan, de 32 anos, afogou-se diante das câmeras e dos olhares de outros participantes, durante uma prova de natação na Tailândia. Ele deveria atravessar o lago de Bangcoc a nado, com uma mochila de sete quilos.