Copel e Eletrobras são destaques em leilão de transmissão

Os vencedores do leilão tem, agora, o prazo de 35 dias para constituir a Sociedade de Propósito Específico que receberá a concessão

São Paulo – As empresas do grupo Eletrobras, Copel, Neoenergia e a chinesa State Grid estão entre as vencedoras do leilão de transmissão realizado nesta sexta-feira pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), no qual vigorou nova regra com o objetivo de dar maior competitividade ao certame.

O deságio médio da disputa foi de 25 por cento, segundo a agência reguladora.

O maior desconto em relação à receita máxima estabelecida para cada lote foi de 43,5, apresentado pela Neoenergia, que arrematou o lote G, o menor do leilão em receita, da subestação Extremoz II, localizada no Rio Grande do Norte. A empresa garantiu uma receita anual de 2,28 milhões de reais.

Ainda houve um lote no qual apenas uma proponente apresentou proposta sem deságio – consórcio formado pela Copel (80 por cento) e Eletrosul (20 por cento), esta última do grupo Eletrobras, que garantiram a receita máxima de 12,972 milhões de reais.

A partir desse leilão, todos os proponentes inscritos para disputar cada lote tinham que entregar envelope ao leiloeiro – ainda que fosse com uma recusa em apresentar proposta. Assim, buscou-se evitar que uma empresa interessada, ao notar que seria a única proponente a entregar proposta, apresentasse uma oferta sem deságio em relação à receita máxima.

A Eletrobras esteve presente entre as vencedoras em quatro dos nove lotes do leilão – venceu o lote A, maior do certame, em parceria com a Copel, por meio da Eletrosul; arrematou o lote B por meio da Chesf; venceu novamente com a Copel o lote F, no Paraná, também por meio da Eletrosul, e ainda conquistou o lote H, em Goiás, com a chinesa State Grid.

A Copel foi uma das vencedoras também em quatro lotes. Além das vitórias com empresas da Eletrobras, a paranaense levou os lotes E, no Paraná, e I, no Maranhão, em parceria com a empresa de origem espanhola Elecnor.

Já o lote D, em Santa Catarina, foi arrematado pela Empresa Catarinense de Transmissão de Energia (ECTE), com deságio de 38 por cento.

O lote C, com a linha de transmissão Lechuga-Jorge Teixeira, no Amazonas, não recebeu ofertas.

Os vencedores do leilão tem, agora, o prazo de 35 dias para constituir a Sociedade de Propósito Específico (SPE) que receberá a concessão, conforme a nova regra que passou a valer a partir desse certame.