Confrontos no centro do Cairo terminam com pelo menos 2 mortos e 220 feridos

Dezenas de pessoas mantêm um acampamento na frente da sede do Conselho de Ministros desde que a praça foi reaberta ao trânsito

Cairo – Pelo menos duas pessoa morreram e outras 220 ficaram feridas nesta sexta-feira em choques entre manifestantes e as forças que protegem a sede do Conselho de Ministros no centro do Cairo, informou o subsecretário do Ministério da Saúde, Hisham Shiha, segundo a televisão estatal.

O número também foi confirmado por uma fonte dos serviços de segurança, que afirmou à Agência Efe que os confrontos entre manifestantes e os agentes da ordem nos arredores do edifício governamental continuam.

Um dos manifestantes, que se identificou como Walid, disse à Efe que neste momento os participantes do protesto lançam coquetéis molotov e pedras contra a sede do Conselho de Ministros, que está protegida por militares em trajes civis postados em seu terraço.

Segundo Walid, os soldados respondem dirigindo jatos de água aos manifestantes e lançando pedras.

Ao contrário do que aconteceu esta manhã, a Polícia Militar foi evacuada do lugar e agora se encontra vigiando os arredores da Embaixada dos Estados Unidos e do Ministério do Interior, nas proximidades, apontou o ativista.

Walid acrescentou que durante os confrontos aconteceu um incêndio no Departamento de Estradas e Pontes, situado na rua Qasr el Aini, onde se concentram os choques, mas que as chamas já foram sufocadas pelos próprios manifestantes e pelos bombeiros.

A testemunha também relatou que ouviu disparos na região, enquanto a fonte dos serviços de segurança assinalou à Efe que os soldados que vigiam a sede atiraram para o ar para dispersar o protesto.


Segundo essa fonte, os choques começaram na madrugada passada depois que entre os manifestantes acampados na zona se espalhou o rumor que um deles, torcedor do clube de futebol Al Ahly, tinha sido preso e espancado por agentes da ordem.

Walid explicou que o torcedor Abudi Ibrahim Abudi jogava bola com vários amigos e esta caiu dentro da sede do Conselho de Ministros. Quando foi buscá-la, os guardas do lugar o detiveram e lhe deram uma surra.

Em seguida, Abudi foi liberado com sinais de ter sido espancado o que, de acordo com Walid, foi considerado como uma provocação pelos acampados.

Dezenas de pessoas mantêm um acampamento na frente da sede do Conselho de Ministros desde que a praça foi reaberta ao trânsito no último dia 11 de dezembro para protestar contra o novo governo de transição dirigido por Kamal Ganzouri, primeiro-ministro entre 1996 e 1999 durante o mandato do ex-presidente Hosni Mubarak.

As imediações da Tahrir foram cenário de violentos choques entre manifestantes e a Polícia no final do mês passado, o que originou um grande acampamento na praça contra a Junta Militar e a renúncia do Executivo anterior do primeiro-ministro Essam Sharaf.

Durante o dia de ontem, aconteceu o primeiro turno da segunda etapa das eleições parlamentares em nove províncias do Egito, após a vitória dos islamitas na rodada inaugural do pleito, iniciado no dia 28 de novembro.