Conferência de paz não significa capitulação do regime sírio

Afirmação é do ministro russo das Relações Exteriores

Moscou – A organização de uma conferência internacional de paz sobre a Síria, conhecida como “Genebra 2”, não deve significar “a capitulação” do regime do presidente sírio Bashar al-Assad, afirmou o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov.

“Estamos categoricamente contra as afirmações de que a conferência deve ser uma espécie de ato de capitulação pública da delegação governamental, seguido de uma transferência de poderes na Síria para a oposição”, declarou Lavrov em uma entrevista à agência de notícias KUNA, do Kuwait.

“É extremamente importante que as partes externas ao conflito gerem um clima favorável para preparar esta conferência”, ressaltou o chanceler russo.

Lavrov advertiu que não se deve “substituir” ou fazer uma “interpretação livre” das ideias incluídas no comunicado aprovado depois da primeira conferência de Genebra em junho de 2012, que prevê a formação de um governo de transição.

A Rússia, principal apoio de Damasco, e os Estados Unidos estão tentando organizar uma conferência de paz internacional batizada como “Genebra 2”.

As negociações reuniriam representantes do regime sírio e da oposição para tentar encontrar uma saída ao conflito que, segundo a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), provocou mais de 94.000 mortes desde março de 2011.