Começa identificação de vítimas do voo MH17

Familiares de malaios que morreram na queda do voo MH17 forneceram amostras de DNA e descrições de seus parentes à polícia

Putrajaya – A maior parte dos familiares de malaios que morreram na queda do voo MH17 da Malaysia Airlines na semana passada forneceu amostras de DNA e descrições de seus parentes à polícia da Malásia nesta terça-feira, na primeira etapa do processo de identificação dos corpos.

O trabalho da polícia forense começou pouco antes de um trem levando 251 cadáveres e 86 partes de corpos chegar a Kharkiv, no nordeste da Ucrânia. Providências estão sendo tomadas para transferir os corpos a Amsterdã, na Holanda, onde serão feitas as identificações com base em registros fornecidos pelas famílias.

Apesar de a polícia afirmar que os 44 malaios que estavam a bordo da aeronave morreram, familiares insistem que não podem dar o caso por encerrado sem que haja uma confirmação. “Nossa cultura, como a maioria das culturas, defende que as pessoas têm o direito a um enterro adequado e decente. Algumas pessoas dirigem-se anualmente a esses locais para fazer orações. Isso é muito, muito importante para nós”, disse o chefe da perícia, Narenasagran Thangabeloo.

Narenasagran, que está liderando os esforços forenses na Malásia, afirmou que é importante para a polícia reunir provas na eventualidade de um processo criminal contra os responsáveis pela queda avião. Além das amostras de DNA, profissionais registraram detalhes sobre o vestuário e objetos pessoais de cada um dos falecidos, sinais de nascença, arcada dentária e outras informações.

A identificação também pode ser necessária por questões relacionadas a seguros e indenizações. Entretanto, nem todas as famílias foram imediatamente capazes de oferecer amostras de DNA e descrições.