Colômbia decreta 3 dias de luto por morte de crianças

Governo colombiano decretou três dias de luto pelas 33 crianças que morreram carbonizadas no domingo, após ônibus em que viajavam pegar fogo

Bogotá – O governo colombiano decretou três dias de luto pelas 33 crianças que morreram carbonizadas no domingo quando o ônibus no qual viajavam na localidade de Fundación (norte) pegou fogo, informou nesta terça-feira o ministério do Interior em um comunicado.

“O Governo Nacional, em nome do povo colombiano, manifesta sua profunda dor pelo desaparecimento dos 33 menores de idade nos incidentes ocorridos no dia 18 de maio de 2014 no município de Fundación, no departamento de Magdalena”, declarou o texto.

Diante da tragédia, e “em solidariedade com o luto de suas famílias e amigos”, o presidente Juan Manuel Santos decretou nesta terça-feira três dias de luto em todo o país, e ordena que as bandeiras estejam içadas a meio mastro, acrescentou.

Santos, que se dirigiu ao local do acidente no domingo à noite para reconfortar as famílias, às quais prometeu justiça, defendeu medidas para aumentar o controle estatal sobre a circulação de veículos de transporte, atualmente responsabilidade dos municípios.

Isto após a divulgação na segunda-feira de que o ônibus no qual viajavam circulava de forma ilegal e com sobrecarga.

O Ministério Público acusará por “homicídio culposo agravado” o motorista do veículo, Jaime Gutiérrez, de 56 anos, que não tinha carteira de habilitação.

As famílias dos menores receberão 12,3 milhões de pesos (6.200 dólares) de indenização por cada criança falecida, além de outros 3 milhões de pesos (1.500 dólares) por gastos funerários, explicou o ministro da Saúde, Alejandro Gaviria.

Também estarão cobertos os gastos de hospitalização dos menores que ficaram feridos no acidente.

No domingo, mais de 50 crianças – com idades de três a doze anos – viajavam de ônibus de volta de uma cerimônia religiosa quando o incêndio começou.

A tragédia, segundo as autoridades, foi resultado de uma imprudência do motorista.

Treze menores continuavam hospitalizados nesta terça-feira, a maioria deles com queimaduras graves.