Colômbia condena líder das Farc a 34 anos de prisão

Também foram condenados outros cinco membros da cúpula do grupo insurgente por um ataque em 1999 que matou três civis

Bogotá – Um juiz colombiano condenou, à revelia, a 34 anos e seis meses de prisão o líder das Farc conhecido como Timochenko, e outros cinco membros da cúpula do grupo insurgente, por um ataque em 1999 que matou três civis.

A sentença foi anunciada pelo juiz do primeiro tribunal penal da cidade de Neiva, capital do departamento de Huila (sudoeste), onde fica a localidade de Gigante, atacada em 3 de dezembro de 1999 por membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O juiz considerou os acusados culpados de homicídio com agravante, tentativa de homicídio com agravante, terrorismo, sequestro, furto qualificado e rebelião.

O ataque também deixou oito feridos.

Além do líder das Farc, cujo nome verdadeiro é Rodrigo Londoño Echeverry, foram condenados Luciano Marín Arango (conhecido como Iván Márquez), Jorge Torres Victoria (Pablo Catatumbo), William Manjarrés Reales (Adán Izquierdo), Milton de Jesús Toncel Redondo (Joaquín Gómez) e José Benito Cabrera (Fabián Ramírez).