Coalizão contra EI enviará 1.500 soldados ao Iraque

Segundo general americano, objetivo é ajudar Bagdá a lutar contra os jihadistas

Cidade do Kuwait – Vários países da coalizão contra o grupo Estado Islâmico vão enviar cerca de 1.500 homens ao Iraque a fim de ajudar Bagdá a lutar contra os jihadistas, anunciou nesta segunda-feira o general americano James Terry.

Os membros da coalizão acertaram o envio de cerca de 1.500 soldados para treinar as forças iraquianas, que se somarão aos assessores militares americanos no Iraque, indicou o alto comando da coalizão no Kuwait.

O general não revelou que países da coalizão contribuirão com as tropas.

Já existem cerca de 1.500 americanos no Iraque fazendo assessoria de segurança para a embaixada dos Estados Unidos e orientando o Exército iraquiano e as forças curdas.

O presidente americano, Barack Obama, aprovou o envio de outros 1.600 militares para treinar e assessorar as forças iraquianas.

O general Terry acrescentou que as forças iraquianas estão melhorando sua atuação, mas destacou que ainda faltam meses para se lançar uma ofensiva em grande escala contra o Estado Islâmico.

O EI, por seu lado, está “na defensiva, tratando de manter os territórios que conquistou, mas ainda conserva a capacidade de lançar alguns ataques de alcance limitado”.

A coalizão realizou nos três últimos dias 15 ataques aéreos na Síria, sendo 14 no setor de Kobane, a cidade curda na fronteira com a Turquia que se converteu no símbolo da resistência ao Estado Islâmico.

No Iraque, a coalizão informou o lançamento de 31 ataques aéreos em 72 horas, contra posições do EI nas zonas de Kirkuk, Sinjar e Mossul.

Após mais de 1.200 bombardeios no Iraque e na Síria desde o início da campanha aérea contra os jihadistas, as forças do EI “começam a sentir a pressão”, acrescentou o general Terry.

Para o militar, as forças iraquianas “ainda têm um longo caminho a percorrer, mas melhoram a cada dia”.

Segundo o secretário americano da Defesa, Chuck Hagel, o apoio da coalizão “permitiu às forças de segurança iraquianas recuperar terreno”.