Cidadãos americanos assumem ter auxiliado Al Qaeda

O primeiro acusado, Wesam El-Hanafi, nativo e residente no Brooklyn, se declarou culpado perante a juíza federal Kimba Wood

Nova York – Dois cidadãos americanos se declararam culpados de conspirar para fornecer ajuda material ao grupo terrorista Al Qaeda, incluindo auxílio no âmbito informático, informou nesta segunda-feira a Procuradoria Federal do Distrito Sul de Nova York.

O primeiro acusado, Wesam El-Hanafi, nativo e residente no Brooklyn, se declarou culpado perante a juíza federal Kimba Wood, e o outro, Sabirhan Hasanoff, americano de origem australiana, fez o mesmo em 4 de junho perante a mesma magistrada.

‘Essas duas declarações de culpa são uma apavorante lembrança da ameaça que representam os terroristas locais e a vigilância constante que é necessária para frustrar seus planos’, afirmou o promotor federal Preet Bharara em comunicado de imprensa.

As autoridades disseram durante o julgamento que Hanafi viajou ao Iêmen em fevereiro de 2008 para se reunir com dois membros da Al Qaeda, jurou lealdade a essa organização terrorista e recebeu instruções sobre como operar com segurança, recebendo ainda algumas tarefas.

Hanafi e Hasanoff conversaram em maio desse mesmo ano no Brooklyn com outra pessoa – não identificada pelas autoridades – para que também se incorporasse à organização terrorista.

Durante esse período, Hanafi adquiriu um programa de informática que lhe permitia manter comunicações seguras através da internet e em abril de 2009 comprou sete relógios digitais através da rede para a Al Qaeda.

Um porta-voz da Procuradoria Federal do Distrito Sul de Nova York indicou que a leitura da sentença contra Hasanoff está prevista para 23 de julho, enquanto a de Hanafi será anunciada em 22 de outubro. Os dois podem pegar até 20 anos de prisão.